PUBLICIDADE
Geral

Dourados já vive epidemia de dengue

| DOURADOSAGORA / MARLI LANGE


A Secretaria Municipal de Saúde de Dourados anunciou ontem, através de nota técnica, que Dourados já vive uma epidemia de dengue. Neste mês de janeiro são 1.804% de casos a mais em relação ao mesmo período do ano passado.
De acordo com o enfermeiro do Núcleo de Vigilância Epidemiológica, Roberto Dias de Oliveira, eram esperados para este mês de janeiro 31 notificações, no entanto, já são 379. Destes,  94 (25%) deram resultado positivo. Apenas 34 (10%) foram descartados e 246 (65%) exames ainda não tiveram o resultado.


Em oito bairros se concentram cerca de 40% dos casos notificados, segundo Roberto. “Os casos estão ocorrendo em todo o município, que reforça a situação da cidade como epidêmica”, afirma o enfermeiro da Vigilância Epidemiológica.


Os bairros onde se concentram 40% dos casos, são; Jardim Flórida II (37 casos); Izidro Pedroso (24); Jardim Clímax (21); BNH 4º Plano (17); Jardim Piratininga (16); Parque Nova Dourados (14); Vila Cachoeirinha (13) e Jardim Novo Horizonte (12).


O enfermeiro explica que pelo menos três fatores contribuem para a epidemia de dengue, que é o calor e chuva, clima propício para a proliferação do mosquito Aedes aegypti e ainda a mudança de vírus circulante, é que do sorotipo 2, cuja população está suscetível a infecção.


INTERNAÇÕES – Roberto explica que apesar do grande número de pessoas que procuram os postos de saúde, Pronto Atendimento Médico (PAM), com suspeitas de dengue, 10% destas são internadas.


A saúde faz três tipos de classificação no caso da dengue, segundo ele. Existe aquela cujos sintomas são mais leves, que é a classificação A, onde o paciente é medicado e encaminhado para se tratar em casa. Do tipo B, o paciente já recebe uma medicação maior e recebe hidratação na unidade de saúde. Já a classificação C, são casos que requerem a internação.


No Hospital Universitários (HU), por enquanto, foram disponibilizados dez leitos para atender os casos de dengue. Até ontem à tarde os dez leitos estavam ocupados. “Conforme aumentar os casos da classificação C, será necessário aumentar os leitos para atender esses pacientes”, afirma Roberto.


Ele informou que por enquanto, em Dourados, não foi confirmado nenhum caso de dengue hemorrágica. Todas as confirmações são de dengue clássica.


Roberto observa que os casos de dengue, não é uma exclusividade de Dourados, mas de muitas cidades do Estado. Campo Grande por exemplo, neste mês de janeiro, os casos de dengue aumentaram 3.690% em relação ao mesmo período de 2009.


PUBLICIDADE
PUBLICIDADE