PUBLICIDADE
Caarapó

Caarapó vive epidemia de dengue, diz secretária de saúde

O índice de infestação predial de focos de dengue do município no mês de janeiro foi de 4%

| CAARAPONEWS


Por André Nezzi

A Secretaria de Saúde de Caarapó, por meio do setor de controle de vetores, informou que o índice de infestação predial de focos de dengue do município no mês de janeiro foi de 4%, número bem acima do caráter estável que é inferior a 1%.
 

De acordo com o coordenador do controle vetor do município, Ivo Benites, a situação é preocupante: “A Organização Mundial de Saúde considera que acima de 1% existe o risco de epidemia".
  Segundo Benites, somente no mês de janeiro 33 casos foram notificados, sendo 4 confirmados como dengue clássica e os demais aguardam resultados laboratorial, “podemos dizer que já estamos tendo uma epidemia”, disse.
  Ainda segundo Benites, o município hoje conta com o Hospital Beneficente São Mateus, quatro núcleos de saúde e mais o PAM para atender os pacientes, porém, o mesmo fez ressalvas: “Temos cerca de 14 mil pessoas na cidade e se continuar essa média de mais de um caso por dia e adoecer metade da população de uma só vez, não teremos estrutura suficiente para atender a todos, por isso, a população deve se conscientizar”, afirmou.
  Os focos do mosquito Aedes Aegypti estão se proliferam em utensílios domésticos, como vasos de cultivo de plantas, bebedouros de animais, pneus nos quintais, reservatórios de água e terrenos baldios sujos também são criadouros do mosquito e devem ser limpos.
  Alguns dos sintomas de dengue são febre alta, dor de cabeça, dor nos olhos, manchas vermelhas na pele, vômito e diarréia. Segundo o coordenador de vetor do município, ao sentir dois a três dos sintomas acima, é aconselhável procurar uma unidade de saúde e não se medicar sem prévia consulta.
    Alguns cuidados fundamentais para evitar criadouros do Aedes aegypti são:

- Armazenar garrafas somente com a boca para baixo;
- Não deixar água acumulada sobre lajes;
- Colocar areia nos pratos de plantas;
- Jogar no lixo ou guardar em locais cobertos os pneus velhos;
- Não jogar lixo em terrenos baldios e deixar os sacos sempre bem fechados e secos;
  - Manter a calha de sua casa sempre limpa;
 - Lavar os pratos dos vasos das plantas uma vez por semana com escova e sabão;
  - Tampar corretamente tonéis e barris de água, caixa d’água e cisternas;
  - Descartar no lixo todos os tipos de objeto que possam acumular água;
  - Lavar o interior dos reservatórios de água com escova e sabão.


(Colaborou Silmara Diniz)

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE