PUBLICIDADE
Caarapó

Sindicato Rural de Caarapó firma parceria com o projeto Equoterapia Passo a Passo

As atividades serão realizadas no Parque de Exposições Pedro Pedrossian

| ASSESSORIA


Autoridades de Caarapó com equipe do projeto Equoterapia Passo a Passo. Foto: Divulgação

O presidente do Sindicato Rural de Caarapó, Carlos Eduardo Macedo Marquez o “Cacá”, se reuniu esta semana com a equipe da Equoterapia Passo a Passo, para firmar parceria de um projeto terapêutico e educacional que utiliza o cavalo ferramenta.

A reunião que aconteceu no Parque de Exposições contou ainda com a presença da presidente da Câmara Municipal, Marinalva de Souza Farias da Costa e do vereador Luiz Macarrão.

O encontro teve como objetivo discutir os detalhes para que a equoterapia seja realizada no Parque de Exposições. Durante a reunião, Cacá se comprometeu a oferecer toda estrutura necessária para que o projeto fosse realizado, e ao invés da empresa pagar pelo aluguel de animais e espaço, deverá oferecer descontos especiais para crianças com necessidades especiais (seja física ou intelectual)  incluindo alunos da APAE.

“Minha proposta é não cobrar nada, como outros Sindicatos fazem. O que queremos é que as crianças com necessidades especiais, dentre eles também os alunos da APAE, possam ter condições e acesso mais em conta para que possam também participar”, disse Cacá.

A presidente da Câmara que também é diretora da APAE, explica que para os alunos especiais a equoterapia é uma ferramenta que contribui muito para a o estímulos dos músculos e terapia. “Fico feliz de sido convida pelo presidente para participar da reunião e acredito que essa parceria será muito valiosa para nós”, disse Marinalva.

Conheça o que é Equoterapia

A Equoterapia, como é chamada é uma atividade que trabalha dentro de uma abordagem multiprofissional e interdisciplinar, nas áreas da saúde, educação e equitação.

De acordo com  Thais Duarte, fisioterapeuta da  equipe Passo a Passo, o projeto oferece desenvolvimento físico, psicológico, cognitivo e social dos praticantes.

“O processo de reabilitação é embasado principalmente no andar do cavalo, que produz uma série de deslocamentos, que resultam em um movimento tridimensional (horizontais - direita, esquerda, frente e trás; e verticais - para cima e para baixo) exatamente idêntico ao movimento realizado pela pelve humana durante o andar”, explicou.

Em geral um cavalo andando ao passo, gera movimentos ritmados, constantes, simétricos que estimulam diversos receptores sensoriais (articulares, táteis, proprioceptivos, visuais, vestibulares) que transmitem ao sistema nervoso central informações sobre o corpo durante a terapia. Essas informações são decodificadas, interpretadas, integradas, onde é gerada uma resposta adaptativa que contribui para o desenvolvimento do equilíbrio, tônus, força muscular, conscientização do próprio corpo, coordenação motora, relaxamento e flexibilidade.

A interação com o cavalo, incluindo os primeiros contatos, o ato de montar e o manuseio final, desenvolve novas formas de socialização, autoconfiança e autoestima.  O animal atua não só como espelho, onde são projetadas as dificuldades, progressos e vitórias, mas também como um novo estímulo que propicia novas percepções e vivências.

Por meio da relação com o cavalo, o indivíduo pode aprender a controlar suas emoções como o medo, enfrentando o desafio de montá-lo. Outros aspectos como frustração, autoestima, rejeição, carência afetiva, criatividade, aprendizagem, memorização, concentração, cooperação, noção de espaço (no que diz respeito à descoberta do próprio “eu” e de seu espaço no mundo) e aquisição de autonomia também são trabalhadas.

Essa atividade deve ser desenvolvida por uma equipe multiprofissional com atuação interdisciplinar (que possuam o curso de Equoterapia reconhecido pela Associação Nacional de Equoterapia - ANDE-BRASIL), composta por, no mínimo, um fisioterapeuta, um psicólogo e um profissional da equitação. Toda a equipe atua de forma direta ou indireta, na qual possui responsabilidades diversas, tais como: identificação do programa e sua respectiva finalidade e os objetivos a serem alcançados.

A Equoterapia é indicada a pessoas com deficiências físicas ou mentais e/ou com necessidades especiais, englobando casos de encefalopatia crônica não progressiva da infância, atrasos no desenvolvimento neuropsicomotor, autismo, Síndrome de down, transtorno déficit de atenção e hiperatividade, no alívio ou minimização dos problemas de estresse, depressão, dificuldades no aprendizado, síndrome do pânico entre outros.

Mais informações com a psicóloga Adrielli no telefone 67 9 9629 4356, a fisioterapeuta Thais Duarte (67 9 9846 6776) ou com a fisioterapeuta Thais Fernanda (67 9 92543180).


PUBLICIDADE
PUBLICIDADE