PUBLICIDADE
alívio

China vê casos ativos de covid-19 caírem e começa a voltar ao normal

As autoridades chinesas também comemoraram o primeiro dia desde o início do surto sem nenhuma morte provocada por coronavírus


Pequim tem movimento normal nas ruas, lotadas de pessoas usando máscaras. Foto: Wu Hong / EFE-EPA - 7.4.2020

A China começa a voltar ao seu ritmo normal, depois de quase três meses de restrições severas de mobilidade e vigilância extrema para conter a propagação do novo coronavírus no país, ao mesmo tempo em que registra queda constante no número de casos ativos de covid-19. Isso significa que o número de novos casos diagnosticados tem sido menor do que o de pacientes que recebem alta do tratamento para a doença.

As autoridades chinesas também comemoraram o primeiro dia desde o início do surto sem nenhuma morte provocada por coronavírus. 
De acordo com as autoridades chinesas, o país tem hoje 1.242 casos ativos, dos quais 211 estão em estado grave — o menor número desde janeiro. A preocupação de momento é com casos importados de covid-19, que continuam sendo registrados, ainda que em número pequeno. Na segunda-feira, foram 39 novos casos (sendo apenas um de contágio interno), enquanto na terça-feira foram 32 (todos de pessoas que voltaram de viagem do exterior). 
Já em Wuhan, desde o dia 18 de março, apenas dois novos casos da doença foram registrados. A cidade, que é considerada o primeiro epicentro da pandemia de covid-19, sairá na quarta-feira (8) da quarentena total imposta em 23 de janeiro.

"Que não haja novos casos não significa que estamos com risco zero [para o surto de coronavírus] em Wuhan. A tarefas de prevenção e controle seguem sendo fundamentais", disse nesta terça-feira Hu Shuguang, do comando de prevenção e controle epidêmicos da cidade chinesa.

Quarentena em Wuhan termina na quarta (8)
Nesta quarte-feira, serão levantadas 75 barreiras nas estradas que saem de Wuhan, permitindo que pessoas possam entrar e sair da cidade. Oitenta trens também estão a postos na estação central para levar passageiros a outras localidades chinesas.

Ainda assim, os "muros amarelos" construídos dentro da cidade para limitar o trânsito de pessoas seguem de pé. Para passar por eles, ainda é necessário apresentar um certificado de saúde.

Em Pequim, com o comércio reabrindo, o movimento nas ruas começa a voltar ao normal. Ainda assim, a polícia e autoridades sanitárias fazem checagens de temperatura e a grande maioria das pessoas circula pela capital chinesa usando máscaras.

Outras cidades, como Ghuangzhou, também retomaram o ritmo normal, apesar da grande presença de pessoas com máscaras nas ruas e da preocupação com a manutenção de medidas de prevenção.


PUBLICIDADE
PUBLICIDADE