PUBLICIDADE
Política

Dagoberto acredita que em maio Zeca estará na frente do André

| DOURADOSINFORMA


O deputado federal Dagoberto Nogueira (PDT) disse no douradosinforma acreditar que já em maio Zeca do PT estará na frente de André Puccinelli na disputa para o Governo do Estado.


Afirmou que atualmente ambos estariam tecnicamente empatados na casa dos 38% segundo pesquisa de consumo interno de dezembro encomendada por ele junto a uma empresa de Minas Gerais, enquanto em outra pesquisa André estaria com 23 pontos na frente do Zeca.


Dagoberto mostra-se animado com a própria campanha ao Senado, dizendo que não deseja a reeleição porque não quer ser político profissional “como esses que ficam se reelegendo (...) Eu prefiro perder (...)”.


Ele acha que o PMDB, por sua vez, está tendo dificuldades por causa justamente do estilo adotado por André na gestão do Estado.


“(...) Ele é arrogante, individualista e egoísta (...) Acredito que neste ano ele comece a feder porque está ficando isolado (...) Eu posso dizer isso porque não tenho medo (...) Enquanto governador as pessoas têm medo dele e não respeito (...)”.


No caso da disputa pela vaga ao Senado entre o deputado Waldemir Moka e o senador Valter Pereira, comentou que o senador que estaria mais enfraquecido na disputa para as prévias “está dando trabalho”.


Comentou que somente agora o André está lançando obras enquanto nos anos anteriores ficou desenvolvendo projetos viabilizados pela bancada federal.


“A expectativa quando ele foi eleito era boa porque se acreditava que ele faria pelo Estado o que ele fez pela Capital, mas ele está fazendo um péssimo governo e talvez seja o pior da história (...)”.


“(...) Uma evidência do estilo do André é que ele queria ser candidato único e isso não existe. Quanto ao PSDB, PPS e DEM, eles vão fazer o que o governador quiser (...)”, não acreditando na possibilidade do Bloco Democrático Reformador (BDR) decolar nestas eleições e muito menos do vice-governador Murilo Zauith (DEM) sair candidato ao Senado por Dourados.


“(...) É preciso coragem para isso, eles não têm coragem (...) Não sabem disputar uma eleição sem estar no Governo (...)”.
 


PUBLICIDADE
PUBLICIDADE