PUBLICIDADE
Política

Senadores de MS são um favor do socorro financeiro

| CORREIO DO ESTADO


Simone Tebet, Soraya Thronicke e Nelson Trad Filho são favoráveis ​​em um projeto - Fotos: Jefferson Rudy, Pedro França e Roque de Sá

Os senadores sul-mato-grossenses são favoráveis ​​ao projeto de lei que socorre estados e municípios durante uma crise financeira na pandemia de novos coronavírus, que deve ser votado hoje. O texto garante R $ 1.036 bilhões no Mato Grosso do Sul, metade vai para os 79 municípios. O maior valor previsto é para Campo Grande, R $ 169,6 milhões, e o menor, para Figueirão: R $ 577,7 mil.

Para Simone Tebet (MDB), o relatório apresentado pelo presidente do Senado Federal, Davi Alcolumbre (DEM-AP), seguiu o registro de técnicos e justos na distribuição de recursos. “Ao adotar o critério do ICMS, beneficiários de estados e municípios produtores. O FPE, o FPM (Fundo de Participação dos Estados e Municípios) e a população, fizeram justiça com as unidades de maior número de habitantes e mais pobres. A Casa da Federação (senado), mais uma vez, faz jus ao nome ”, disse.

Simone ainda afirmou que a distribuição, meio a meio, dos R $ 50 bilhões entre estados e municípios, é o correto entendimento de quais municípios são os primeiros a sentir os efeitos. “Pelo fechamento imediato das portas do comércio, houve efeitos do esfriamento da economia”, disse. Também porque é o município onde um cidadão realmente vive e onde procura, em primeiro lugar, pelos serviços públicos essenciais, em especial agora relacionados à saúde ”.

A senadora Soraya Thronicke (PSL) também afirmou ser “completamente favorável ao relatório por atender aos estados e municípios”, mas enfatizou que defendeu “a Transparência e a contrapartida de gestores estaduais e municipais”, explicando que na sexta-feira à noite se reunir com uma bancada do partido para definir quais são as apresentações da agenda. Ela defende a recuperação de trechos do projeto original, ou o Plano Mansueto, que exige uma contrapartida de estados e municípios, bem como limites para a contratação de servidores comissionados, entre outros pontos.

Além de decidir pela distribuição desses recursos, os parlamentares vão definir sobre a suspensão do pagamento dos estados e municípios da União, que podem gerar uma economia de R $ 310,4 milhões para o Mato Grosso do Sul e o congelamento dos gastos dos servidores públicos por 18 meses, até 31 de dezembro do próximo ano.

POSICIONAMENTO

Como as senadoras Soraya Thronicke (PSL) e Simone Tebet (MDB), registram o status de congelamento dos servidores que são necessários para ajustar as contas públicas após uma pandemia, mas ressaltam o número de pessoas que usam o uso de servidores públicos e profissionais de segurança saúde, grupos envolvidos no atendimento a pacientes com Covid-19 e que não podem ser interrompidos.

Tebet enfatizou que “desde que utilize justos justos, não há problema em congelar. Só que devem ser congelados os pesos altos, quem ganha acima de cinco pesos mínimos, por exemplo. Também é importante preservar o direito de contratar médicos e outros profissionais de saúde e até a possibilidade de aumentar seus salários em virtude do risco que corre. Não podemos congelar os profissionais da saúde e da segurança pública, que estão tendo e vão ter muito trabalho ainda ", explicando que essa diferença de fatores vai depender da apresentação do destaque do texto," só que eu não posso exibir desta maneira por não ser líder. Agora, se você tiver destaque nesse sentido, eu vou acompanhar ”.

Para a senadora Soraya Thronicke, “são profissionais [de saúde e segurança] que não podem ter seus ganhos congelados por causa de pandemia. Eles são fundamentais neste momento e precisam de incentivos ”.

O senador Nelson Trad Filho (PSD) disse na tarde desta sexta-feira que está analisando o projeto. “Quantos meses serão adotados para os municípios e Estados? Os requisitos para distribuição desse auxílio financeiro ... Quais são os requisitos utilizados nesse auxílio financeiro? Como permanecer nos Estados e Municípios diante das prestações das dívidas para a União e quais são as contrapartidas que os entes federativos devem ter para fazer esse auxílio. Tudo isso vai refletir nesse momento atômico que a economia e os caixas dos Estados e municípios estão passando. São muitas as dificuldades para honrar os seus compromissos e, consequentemente, com o compromisso de não deixar atrasos atrasos para funcionários públicos, ou o meu caso é tão grave quanto a vida nacional é o mais importante a ser assegurado ”. 


PUBLICIDADE
PUBLICIDADE