PUBLICIDADE
avaliação

Acusação de Moro no caso Bolsonaro dá fôlego a processo de Lula contra ex-juiz

O ministro do STF Gilmar Mendes deve colocar o pedido para julgamento antes da aposentadoria do decano Celso de Mello, marcada para novembro

| CNN BRASIL


O ex-presidente Lula: defesa pediu suspeição de Moro em 2018. Foto: Fernando Frazão/Agência Brasil (13.jun.2016)

A divulgação do vídeo da reunião de Bolsonaro com a equipe colocou em xeque as acusações do ex-ministro da Justiça, Sergio Moro, e pode ter repercussões na avaliação sobre a conduta dele como juiz da Lava Jato também. "Ele desenvolve uma ideia e vai atrás de elementos que possam confirmá-la sem o cuidado de um rigor maior", afirmou uma fonte que acompanha o pedido que o ex-presidente Lula moveu contra Moro, e que ainda aguarda julgamento no Supremo Tribunal Federal.

O ministro do STF Gilmar Mendes deve colocar o pedido para julgamento antes da aposentadoria do decano Celso de Mello, marcada para novembro.

Mendes já havia afirmado que levaria o caso para análise da 2ª turma do STF quando houvesse o retorno da Corte, pós-pandemia. Mas, diante do cenário cada vez mais incerto, Mendes passou a considerar a avaliação do assunto em sessão virtual mesmo, porque quer contar com o decano no julgamento, antes da aposentadoria, afirmam fontes próximas.

O pedido de suspeição de Moro foi apresentado pela defesa de Lula, em 2018. Em junho do ano passado, o STF negou conceder liminar por 3 votos a 2. Ainda falta a análise de mérito. O advogado do ex-presidente, Cristiano Zanin, está confiante. "Nossa expectativa é que o habeas tenha o julgamento do mérito concluído em breve, pois incidem no caso algumas preferências legais e regimentais para que isso aconteça. Acredito que o assunto está bem amadurecido, até porque foi reforçado pelas revelações da Vaja Jato, que não deixaram qualquer dúvida sobre a parcialidade do ex-juiz Sergio Moro”.

O pedido tem impacto em dois processos: tríplex do Guarujá e sítio de Atibaia. Essas ações contra Lula retornariam à fase de denúncia, se o STF aceitar o pedido contra Moro. Ou seja, outro juiz faria a análise dos atos denunciados pelo Ministério Público Federal.


PUBLICIDADE
PUBLICIDADE