PUBLICIDADE
Caarapó

Escola de Caarapó usa lives como forma de ensino na pandemia

| CAARAPONEWS


Fotos: Reprodução

Em meio à pandemia escolas públicas tentam diferentes metodologias para manter a educação funcionando. A exemplo disso a Escola Estadual Professor Joaquim Alfredo Soares Vianna promoveu nos últimos dias um projeto interdisciplinar voltado para temática “História e Cultura Indígena”.

De acordo com a professora Bruna Aparecida Azevedo Gayozo , esse projeto foi trabalhado de maneira interdisciplinar com as disciplinas de Sociologia, Filosofia, História, Geografia, Língua Portuguesa, Projeto de Vida e Arte, e foi pensado como uma forma de abordar a temática cultural indígena que é prevista na Lei 10.639 de 2003.

A educadora afirmou ainda que esse projeto reflete o esforço que as escolas públicas municipais e estaduais tem feito para manter a efetividade da educação de qualidade, voltada para as competências socioemocionais previstas na Base Nacional Comum Curricular.

“Esse projeto iniciou-se no dia 1º de junho de 2020 , nele cada professor tratou a temática “Cultura Indígena” dentro dos conteúdos de sua disciplina e promoveu diálogos com as turmas do ensino médio matutino através da plataforma Google meet. A finalização desse projeto se deu com uma live através dessa mesma plataforma Google meet, com o historiador e doutor em história indígena professor Éder Novak”, salientou Bruna.

A professora acrescentou que nessa reunião online o palestrante propôs um diálogo pautado nos principais preconceitos e estereótipos que ele percebe nas escolas a respeito das populações indígenas.

Os temas centrais foram: cultura e comportamento, terra, moradia e línguas tradicionais.

“A live que estava prevista para ter duração de 40 minutos se estendeu por 2 horas, iniciando-se às 9h do dia 10 de junho de 2020 e se encerrando às 11 horas do mesmo dia. A extensão do horário se deu por conta da demonstração de interesse dos estudantes e dos professores que estavam em diálogo nessa plataforma com o doutor Éder Novak”, enfatizou a professora.

“O trabalho interdisciplinar é fundamental para que os estudantes possam reconhecer conexões entre as diferentes disciplinas e os diferentes conteúdos, nesse momento de pandemia estamos precisando reinventar o processo educativo, mas continuamos com empenho trazendo metodologias diversificadas para atrair os nossos estudantes mesmo estando distantes”, finalizou Bruna Gayozo.


PUBLICIDADE
PUBLICIDADE