PUBLICIDADE
campo grande

'Só pensava em tirar o cachorro de cima dele', diz vizinho que socorreu menino

O menino chegou a ser levado por familiares para o CRS (Centro Regional de Saúde) do Bairro Tiradentes, onde acabou falecendo

| CAMPO GRANDE NEWS


Emocionado, Anderson conta que é imposssível esquecer a imagem (Kisie Ainõa)

"Eu só pensava em tirar o cachorro de cima dele”. O relato emocionado é do comunicador visual Anderson Wilton de Lima, de 26 anos, que ajudou a tirar o cachorro de cima do menino Mikael, de 3 anos, que morreu no bairro Cristo Redentor depois de ser atacado pelo animal na manhã desta terça-feria (16), em Campo Grande. 

O menino chegou a ser levado por familiares para o CRS (Centro Regional de Saúde) do Bairro Tiradentes, onde acabou falecendo. No local, a informação obtida é que a vítima chegou à unidade de saúde com o rosto e o crânio feridos, levada por um vizinho.

Anderson contou à reportagem que mora perto da casa onde ocorreu o acidente e estava na varanda quando ouviu gritos de mulheres pedindo socorro. Ele correu até o local e disse que quando chegou na casa, abriu o portão e viu o cachorro atacando a criança.

“O cão estava mordendo a cabeça do menino. Fiz tudo que eu pude para espantar o cachorro. Bati com um cabo de enxada no cão e neste momento ele soltou o menino e veio para cima de mim”, destaca. 

“Se eu não tivesse chegado ele tinha estraçalhado o menino”, enfatizou, lembrando que nesta hora o instinto paterno falou mais alto.  Chorando ele contou que tem um filho de 6 anos. “Só pensei no meu filho”, lamenta.

Ele então pegou o menino no colo e pediu ajuda para uma vizinha levar a criança até a unidade de saúde mais próxima. Quando tudo acabou e o menino foi socorrido, Anderson conta que foi ver o filho que mora com a mãe em um bairro próximo. “Fui ver ele pra dar um abraço. Após tudo isso que ocorreu só tenho a imagem do cachorro mordendo ele. Não consigo esquecer”, acrescentou.

A cozinheira Juliana Barão, de 40 anos que também mora no bairro, disse que o cão só mordeu o rosto do menino. “Parecia que o cachorro estava com raiva foi pra matar”, salientou. Juliana conta que o menino ficou irreconhecível. “O rosto dele tinha cortes profundos uma cena horrível de se ver logo cedo”, finalizou.

 


PUBLICIDADE
PUBLICIDADE