PUBLICIDADE
Caarapó

Caarapó intensifica combate à dengue

Ontem à tarde, foi realizada reunião com secretários e servidores municipais

| ASSESSORIA


A Secretaria Municipal de Saúde de Caarapó, com apoio das secretarias de Obras e de Desenvolvimento Econômico, está intensificando as ações de combate ao mosquito transmissor da dengue na cidade. Além das atividades já desenvolvidas rotineiramente pelo Departamento de Controle de Vetores, está sendo realizado um grande mutirão de limpeza na sede do município, que será estendido aos distritos de Cristalina e Nova América, com o objetivo de eliminar de vez eventuais criadouros do mosquito Aedes aegypti e reduzir a proliferação do caramujo africano.
 

  Ontem à tarde, foi realizada reunião com secretários e servidores municipais, vereadores, diretores de escola, associações de moradores e outros segmentos da sociedade civil, para discutir as estratégias da campanha, que se torna mais intensa a partir de agora. O prefeito Mateus Palma de Farias (PR), que presidiu a reunião, pediu empenho de todos no desenvolvimento do mutirão de limpeza. “A participação de todos, como multiplicadores das ações, é fundamental para o controle da dengue em Caarapó”, destacou.
    Em Caarapó, o índice de infestação do Aedes aegyti está em 3,88%, quase quatro vezes acima do nível considerado “estável” pela Organização Mundial de Saúde (OMS), que é de 1%. “É uma situação grave, que requer uma ação do Poder Público e de toda a população”, alerta o coordenador do Departamento de Controle de Vetores da Secretaria municipal de Saúde, Ivo Benites. Até a primeira quinzena deste mês, haviam sido notificados pelo Departamento de Vigilância Epidemiológica 64 casos suspeitos de dengue, com confirmação de 30.

A situação exige uma atuação efetiva dos órgãos de saúde, que estarão incluídas na campanha de limpeza, como reestruturação das atividades de visitas domiciliares para tratamento com larvicidas e eliminação de criadouros pelos agentes de saúde do Departamento de Controle de Vetores, em parceria com os agentes comunitários de saúde, bloqueio de casos com visitas e aplicação de inseticidas em raio de 300 metros em torno da residência ou local de trabalho das pessoas que contraírem a dengue, aplicação de inseticida a Ultra Baixo Volume (Fumacê) em todos os bairros com incidência de casos e índice alto de infestação do mosquito Aedes aegypti, atividades educativas, como palestras, reuniões e divulgação nos meios de comunicações, entre outras.
    O mutirão de limpeza está começando pelo Setor 1, que engloba o perímetro compreendido entre a Rua Mato Grosso e a saída para Naviraí. O Setor 2 abrange o restante da cidade. “Os moradores da região do Setor 1 precisam efetuar a limpeza dos quintais até o dia 21 de fevereiro. Entre 22 de fevereiro e 13 de março, será feita a coleta dos entulhos”, explica o coordenador do setor de Controle de Vetores da Secretaria Municipal de Saúde, Ivo Benites. “Durante esse período, a coleta será gratuita, mas não poderão mais ser jogados entulhos na rua após o mutirão. Quem desobedecer será multado”, alerta o coordenador.
    Agentes de saúde estão orientando a população sobre os procedimentos que deverão ser adotados no decorrer da campanha de limpeza. Quintais e terrenos baldios deverão ser completamente limpos, com retirada de entulhos, galhadas, restos de construção, pneus, latas, vidros e todo tipo de material inservível, potenciais criadouros do mosquito transmissor da dengue ou esconderijos do caramujo africano.
    “A maioria dos focos do mosquito transmissor da dengue está sendo encontrada nos imóveis residenciais, comerciais e terrenos devido à falta de cuidados pelos proprietários ou responsáveis, sendo que a infestação do mosquito ocorre em recipientes jogados a céu aberto e muitos focos se proliferam em utensílios de uso doméstico”, esclarece Benites. O coordenador acrescenta que a situação é considerada crítica, e somente com a realização de trabalhos em conjunto, envolvendo Poder Público e a população, será possível controlar a dengue.
  Benites orienta no sentido de que, quando as equipes de aplicação de inseticidas estiverem passando, as pessoas devem abrir portas e janelas para que o inseticida possa atingir os mosquitos em fase adulta que estiverem no interior dos imóveis.  

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE