PUBLICIDADE
preocupação

Sem estoque, médicos fazem apelo por hidroxicloroquina no início do tratamento em MS

| MIDIAMAX


Prefeito faz apelo a Bolsonaro para enviar remessa de hidroxicloroquina e ivermectina. (Imagem: Marco Santos/Agência Pará)

Com situação crítica e 83,4% dos leitos UTI (Unidade de Terapia Intensiva) do Hospital Regional ocupados por Covid-19, médicos que atuam na linha de frente fazem apelo para que o presidente Jair Bolsonaro envie os medicamentos hidroxicloroquina e ivermectina para serem usados no início do tratamento de casos suspeitos da doença.

Grupo formado por mais de 200 médicos de hospitais públicos e privados de Mato Grosso do Sul entregou, na manhã desta segunda-feira (06), o protocolo para tratamento precoce de casos de Covid-19. “Estamos chegando no limite. Ou mudamos a estratégia e começamos o tratamento antes do paciente ficar com falta de ar ou podemos vivenciar algo como ocorreu em Belém (PA), que entrou em colapso”, alerta o coordenador do Centro Integrado de Vigilância Toxicológica (Civitox), o médico toxicologista Sandro Benites.

Em reunião com o coordenador do grupo, o prefeito Marquinhos Trad (PSD) gravou um vídeo fazendo apelo ao presidente da República, Jair Bolsonaro, para que fosse permitido o envio de um avião da Força Aérea Brasileira (FAB) para buscar os medicamentos.

O apelo é para agilizar a chegada dos remédios, uma vez que, mesmo diante do estado de calamidade, a compra desses insumos pode demorar, no mínimo, 20 dias para chegar. “Não dá para esperar esse tempo todo. Temos a base aérea, o comandante não iria se opor em disponibilizar um avião para buscar esses medicamentos”, diz Sandro, lembrando do caso de médica baiana que gravou um vídeo e, no dia seguinte, chegaram os medicamentos.

Sobre as polêmicas envolvendo o uso desses medicamentos, Sandro lembra exemplos de locais em que esse procedimento foi adotado. “Vimos que outros colegas em outros lugares como Espanha e Estados Unidos, Além do estado de São Paulo, já adotaram e deu certo. Porque não repetir experiência que deu certo?”, questiona.

Estado descarta medida
Por outro lado, o titular da SES (Secretaria Estadual de Saúde), Geraldo Resende, descartou o procedimento por parte do governo do Estado, justificando que faltam evidências científicas sobre a efetividade dos medicamentos para o uso contra a Covid-19.

Com situação crítica e 83,4% dos leitos UTI (Unidade de Terapia Intensiva) do Hospital Regional ocupados por Covid-19, médicos que atuam na linha de frente fazem apelo para que o presidente Jair Bolsonaro envie os medicamentos hidroxicloroquina e ivermectina para serem usados no início do tratamento de casos suspeitos da doença.

Grupo formado por mais de 200 médicos de hospitais públicos e privados de Mato Grosso do Sul entregou, na manhã desta segunda-feira (06), o protocolo para tratamento precoce de casos de Covid-19. “Estamos chegando no limite. Ou mudamos a estratégia e começamos o tratamento antes do paciente ficar com falta de ar ou podemos vivenciar algo como ocorreu em Belém (PA), que entrou em colapso”, alerta o coordenador do Centro Integrado de Vigilância Toxicológica (Civitox), o médico toxicologista Sandro Benites.

Em reunião com o coordenador do grupo, o prefeito Marquinhos Trad (PSD) gravou um vídeo fazendo apelo ao presidente da República, Jair Bolsonaro, para que fosse permitido o envio de um avião da Força Aérea Brasileira (FAB) para buscar os medicamentos.


PUBLICIDADE
PUBLICIDADE