PUBLICIDADE
ponta porã

Casal confessa assassinato de técnico agrícola, mas polícia ainda apura motivo

De acordo com a investigação conduzida pelo SIG, Franciele trabalhava na casa de Ludwing e há pelo menos um ano e meio eles passaram a namorar

| CAMPO GRANDE NEWS


Corpo do técnico agrícola foi queimado ao lado da moto dele (Foto: Divulgação)

Franciele Salmázio da Luz, 34, e Nadir Ricardo, 34, o “Pica-Pau”, confessaram o assassinato do técnico agrícola Ludwing Max Pockel, 48, ocorrido no distrito Nova Itamarati, no município de Ponta Porã. Os dois foram presos ontem (29) e estão na 1ª Delegacia de Polícia Civil da cidade.

A polícia ainda investiga o real motivo que levou o casal a matar Ludwing a golpes de faca e depois atear fogo no corpo usando gasolina retirada da moto da vítima. O corpo carbonizado foi encontrado ontem perto de uma mata. Ao lado estava a moto, também queimada.

Informação divulgada na noite de ontem revelava que a vítima era engenheiro agrônomo, como o filho dele havia dito. Entretanto, Ludwing era técnico agrícola.

De acordo com a investigação conduzida pelo SIG (Setor de Investigações Gerais), Franciele trabalhava na casa de Ludwing e há pelo menos um ano e meio eles passaram a namorar.

O relacionamento era tumultuado. Ela já tinha registrado boletins de ocorrência contra ele acusando-o de abuso sexual, mas a investigação da época descartou a denúncia. O depoimento de três filhas dela ajudou a desmentir a acusação, na época.

A mulher alega que no sábado (25), Ludwing foi buscá-la para passar o fim de semana com ele, já que o filho do técnico agrícola estava na casa dele. Franciele disse no depoimento que insistiu para que Ludwing não fosse e chegou a pedir ao filho dele, identificado como Mateus, para que não deixasse o pai ir atrás dela.

Mesmo com a negativa dela, Ludwing foi até a casa de Franciele e a encontrou com o atual, Nadir Ricardo. Ela afirma que ele estava bêbado e quando chegou ao local os dois ingeriram mais cerveja.

Tanto a mulher quanto Nadir Ricardo, o atual namorado de Franciele, alegam terem praticado o crime porque Ludwing teria tentado manter relações com ela à força. Nadir, que estava no fundo do imóvel, afirma ter sido ofendido por Ludwing ao sair em defesa da mulher, por isso o matou.

Entretanto, a polícia considera frágil a versão dos assassinos confessos e mantém as investigações para descobrir os reais motivos do crime. Pelo menos por enquanto não há indícios da participação de uma terceira pessoa, como foi especulado na noite de ontem.

A prisão – Franciele Salmázio e Nadir Ricardo foram presos nesta quarta-feira, um dia após o desaparecimento do técnico agrícola. Ela chegou a ajudar o filho dele a procurar o pai no fim de semana.

Ontem, equipe do SIG chefiada pelo delegado Alcides Bruno Braum foi até o distrito e após ouvir testemunhas chegou aos dois suspeitos. O casal entrou em contradição por diversas vezes e por fim acabou confessando o crime. 


PUBLICIDADE
PUBLICIDADE