PUBLICIDADE
investigação

PM de Caarapó acha com suspeito de estupro moto de vítima de serial killer

| CAMPO GRANDE NEWS


Motos apreendidas com suspeito de estupro; a vermelha pertencia a vítima de serial killer que agia na Capital (Foto: PM de Caarapó)

A PM (Polícia Militar) encontrou na casa de suspeito de estupro em Caarapó uma motocicleta que pertencia a uma das vítimas de Cleber de Souza Carvalho, de 43 anos, que ficou conhecido como o “Pedreiro Assassino” após confessar 7 homicídios em Campo Grande. A moto, uma Honda CG 160 Fan vermelha, chegou a ser usada pelo investigado, de 29 anos,  para abordar as vítimas na cidade do interior.

Conforme registrou o Caarapó News, o primeiro estupro foi denunciado no dia 10 do mês passado. A vítima, uma mulher de 57 anos, conta que fazia caminhada na MS-156, quando o suspeito saiu detrás de um pé de manga e lhe agarrou. Ele tapou a boca da mulher e disse que se ela gritasse, morreria.

A vítima relatou ainda que conseguiu escapar por duas vezes, mas foi derrubada com uma rasteira. Ela narrou ainda que disse estar com o coronavírus e neste momento, o homem se masturbou em cima dela. Ele subiu numa moto que estava virada para a saída da rodovia e evadiu-se rapidamente.

A mulher contou ainda que, em pânico, começou a se atirar em frente dos carros com o intuito que eles parassem para ela pedir socorro. O medo era o motociclista voltar e matá-la.

O segundo caso foi uma tentativa de estupro, no dia 17 de julho. Por volta das 7h, o homem abordou uma mulher que caminhava sozinha na estrada que dá acesso ao balneário municipal. Ele estava numa Honda Bis preta, passou por ela, fez o retorno, parou na frente da porteira de uma propriedade rural.

A vítima relata que continuou a caminhada, deu bom dia para o homem e percebeu que ele passou por ela novamente, parou cerca de 100 metros à frente e começou a se masturbar por baixo da roupa. Quando a mulher se aproximou novamente, ele tirou o pênis para fora e disse: “vem aqui gostosa”. Mas, ao perceber que a mulher falava ao telefone pedindo socorro, foi embora. O motociclista colocou um pano para esconder a placa da moto.

Flagrado - Segundo a PM (Polícia Militar) informou ao Caarapó News, o suspeito foi visto na manhã do dia 23 de julho “conduzindo uma motoneta vagarosamente e acompanhando um grupo de mulheres que fazia caminhada”.

Ao perceber a viatura, ele arrancou e foi parado no anel viário da cidade. Alegou que estava atrasado para o trabalho e ainda precisava abastecer a moto, por isso estava com pressa. De acordo com os policiais militares, contudo, o tanque da moto estava cheio. Diante a versão contraditório e nervosismo, o nome do motociclista foi checado. Constatou-se que ele já tinha passagens por estupro e a Bis estava com o documento vencido.

Foi na casa do suspeito que policiais encontraram a Honda CG 160 Fan, que, segundo boletim de ocorrência, pertencia a José Jesus de Souza, de 45 anos, uma das vítimas do serial killer que agia na Capital.

As motos foram apreendidas e o homem está sendo investigado.

Desaparecimento e morte – O desaparecimento de José Jesus de Souza, de 45 anos nem chegou a ser comunicado à polícia quando ele sumiu da Vila Nasser, onde morava, em fevereiro deste ano. Mas, depois da morte de José Leonel Ferreira Santos, de 61 anos, em maio, e que a suspeitas que recaíram sobre Cleber de Souza Carvalho, vizinhos cogitaram que o “Pedreiro Assassino” poderia ter algo a ver com o sumiço de José Jesus. 

Em depoimento prestado na DEH (Delegacia Especializada de Repressão aos Crimes de Homicídio), um dos vizinhos citou que o desaparecido era da Bahia e tinha relacionamento com mulher que morava em Aquidauana. Disse ainda, que sempre que viajava para a cidade do interior, a vítima deixava seus dois veículos, um GM Astra e a moto Honda Fan, sob os cuidados de um pastor do bairro.

Contou que chegou a fazer contato com a mulher da vítima, mas ela revelou que, por mensagem, José Jesus disse que estava se relacionando com outra pessoa e que voltaria para a Bahia, por isso, ela não mais fez contato com ele e, por isso, ninguém registrou o desaparecimento.

O vizinho se lembrou que tempos depois do sumiço, uma família mudou-se para a casa do baiano, sendo Cleber um dos integrantes. Depois, conforme apuração da polícia, descobriu-se que o “Pedreiro Assassino” deixou o imóvel só depois que matou José Leonel, na mesma região, para ficar com a casa do idoso. A irmã do homicida confesso estava morando na residência de José Jesus.

O Astra foi encontrado com homem que se comprometeu a prestar esclarecimentos. O mistério ainda é como a moto foi parar nas mãos do suspeito de estupro na cidade a quase 300 km da Capital. Mas, até onde se sabe, o “Pedreiro Assassino” matava para ficar com os bens das vítimas.

Cleber confessou o assassinato de José Jesus e indicou onde o corpo estava enterrado. A DEH ainda trabalha na conclusão do inquérito. 


PUBLICIDADE
PUBLICIDADE