PUBLICIDADE
situação preocupante

Com milhares de focos, incêndio no Pantanal também chega no Paiaguás

| CAMPO GRANDE NEWS


Fumaça impede que se veja o horizonte da Serra do Amolar, paraíso natural dentro do menor bioma brasileiro, o Pantanal (Foto: Divulgação/IHP/Diário Corumbaense)

O Pantanal segue agosto com a mesma situação preocupante de seca, baixo nível do rio Paraguai e incêndios. Segundo o IHP (Instituto do Homem Pantaneiro), no domingo (9), os focos já estavam no paraíso ambiental da Serra do Amolar, onde a geografia de morros preocupa quem tenta acabar com os milhares de focos.

O diretor presidente do IHP, Angelo Rabelo, disse ao Diário Online que já se acumulam 6 mil focos do fogo selvagem no Pantanal este ano, 3,5 mil deles nas áreas adjacentes a cidade de Corumbá, a 419 km de Campo Grande.

“Ontem conseguimos remover brigadistas que estavam atrás da Serra do Amolar, onde os focos foram controlados. Agora, eles estão na Serra Negra, comunidade da Amolar, onde o fogo está do outro lado. Ali, vamos manter um esquema de controle, para que os focos não sigam em direção às reservas”, explicou ao jornal.

Paiaguás – Ainda assim, confirme citou ao Diário, Angelo Rabelo vê na região dos Paiaguás arena perigosa ao fogo e disse que nessa região “há vários focos de queimadas e a situação é quase incontrolável”.

Já são mais de 1 milhão de hectares queimados e arrasados por um fogo sem precedentes no bioma, conforme cita o Diário, com dados do Ibama.

"Podemos dizer que de fato tivemos vitória parcial, não deixando o fogo subir a Serra. Mas, enquanto não vir chuva forte e for extinto o risco iminente de atingir as reservas, vamos estar lá contendo os focos”, disse Rabelo. - CREDITO: CAMPO GRANDE NEWS


PUBLICIDADE
PUBLICIDADE