PUBLICIDADE
Geral

Homem é preso após causar pânico sobre tsunami

| FOLHA


Um homem foi preso na tarde deste domingo em Valparaíso, no Chile, após anunciar a chegada de um tsunami e causar tumulto entre a população local, informou o site do jornal chileno "La Tercera". O país foi atingido por um terremoto de 8,8 graus na escala Richter na madrugada deste sábado (27).
 

Identificado como J.G., ele percorreu a cidade avisando que havia perigo de uma onda gigante atingir a região, o que gerou pânico na população, que fugiu para longe do mar.
 

Uma pessoa que se encontrava na entrada de Valparaíso sofreu um infarto e teve que ser reanimada. Segundo autoridades, o sujeito foi detido por desordem público grave.
 

Para a tranquilidade dos habitantes da região, autoridades descartaram o risco de um tsunami nas costas de Valparaíso e Viña del Mar.
 

Hospitais e crise de pânico

Os hospitais no Chile estão sobrecarregados depois do tremor. A principal procura é de pessoas feridas, com crise de pânico e que tiveram ataque cardíaco.
 

Segundo o jornal "El Mercurio", os hospitais trabalham em regime de emergência com reforço nas equipes. A espera no atendimento é de pelo menos três horas.
 

Em alguns hospitais, o problema é agravado porque também sofreram abalos estruturais. A presidente do Chile, Michelle Bachelet, disse neste domingo há os hospitais destruídos.
 

Ontem, o Ministério da Saúde anunciou que irá abrir cinco hospitais de campanha nas cidades de Talca, Curicóm, Arauco e Concepción, que foram as regiões mais afetadas.
 

Os chilenos também enfrentam dificuldades por conta do fechamento dos aeroportos. As comunicações não foram completamente estabelecidas, segundo o jornal. Algumas estradas estão interditadas.
 

Bachelet informou em coletiva de imprensa que os mortos no terremoto chegam a 708. Segundo ela, o número de vítimas ainda deve aumentar.
 

"Foi uma catástrofe gigantesca, e os mortos certamente devem subir. Reforçamos a nossa força aérea, a polícia e o Exército, mas precisaremos da ajuda internacional", disse Bachelet.
 

Segundo ela, equipes de resgate formadas por soldados e policiais e membros do Corpo de Bombeiros participam das operações de resgate.


PUBLICIDADE
PUBLICIDADE