PUBLICIDADE
Volta às aulas

Plano Municipal de Protocolos de Segurança para o retorno das aulas presenciais é aprovado em Caarapó

Aprovação do plano não significa que as aulas presenciais já retornarão, mas contém medidas protocolares de segurança que deverão ser adotadas quando as aulas presenciais voltarem nas instituições educacionais

| CAARAPONEWS


Foto: Divulgação Plano foi aprovado por comissão após estudos de seu teor; documento seguiu para avaliação do Comitê Municipal de Prevenção à Covid-19

"A Pandemia do novo coronavírus causou o afastamento de milhões de brasileiros das creches, escolas e faculdades. Os municípios precisaram debater como as escolas poderão voltar a funcionar de modo a preservar vidas e garantir segurança para profissionais da educação e estudantes brasileiros. A preocupação em relação à reabertura das instituições educacionais é um tema intersetorial e prioritário no contexto da pandemia da Covid-19". Este é o texto inicial de release divulgado pelo Secretaria Municipal de Educação, Esporte e Cultura de Caarapó (Semeec), no contexto da aprovação do Plano Municipal de Protocolos de Segurança, para o Retorno das Aulas Presenciais, recentemente realizada no município por comissão especialmente designada para elaboração e equipe de sistematização do plano em referência. 

 

A apresentação do plano foi feita pela titular da Semeec, Ieda Maria Marran, e pelos coordenadores dos eixos, sendo o enfermeiro Vinício Faria e Andrade, coordenador do Eixo de Biossegurança, professora Iracilda Moreira dos Santos Lomba, coordenadora do Eixo Pedagógico, e a psicóloga Léa Geller, coordenadora do Eixo Socioemocional. Ao final da apresentação, ocorreu a votação da aprovação do plano, que, aprovado, foi encaminhado ao Comitê Municipal     de     Enfrentamento     e     Combate à Covid-19, para aprovação final.

 

 

Em março, a prefeitura de Caarapó interrompeu as aulas presenciais nas etapas de educação infantil e ensino fundamental nas instituições educacionais municipais e particulares sob sua jurisdição, declarando Situação de Emergência em Saúde Pública, a fim de proteger a população em relação à pandemia da Covid-19, mantendo, porém, o teleatendimento e o atendimento presencial nas instituições educacionais apenas para entrega de atividades.

 

A secretária Ieda Maria Marran explica que, tendo em vista os dados epidemiológicos municipais referentes à pandemia, bem como a discussão em nível nacional sobre o retorno das aulas presenciais, a Secretaria Municipal de Educação,  em conjunto com a Secretaria Municipal de Saúde, iniciou em outubro  a elaboração do Plano Municipal de Protocolos de Segurança para o Retorno das Aulas Presenciais, que tem por objetivo auxiliar na tomada de decisões para que o retorno gradual dos atendimentos presenciais aconteça de forma responsável, lembrando que a pandemia age de forma dinâmica e que essa retomada poderá ser revista, caso haja alteração nos dados epidemiológicos municipais e/ou estaduais.

 

O plano leva em contas diversos pontos de atenção à saúde, como conceitos técnicos referentes à Covid-19, triagem, isolamento e encaminhamento de casos suspeitos e familiares, cuidados para mitigar o contagio, uso de EPIs, distanciamento social controlado dentro das instituições educacionais e transporte escolar, limpeza de ambientes e cuidados com higiene pessoal, dentre outros assuntos relevantes, de modo a preservar a saúde da comunidade escolar e auxiliar no planejamento de retorno as aulas.

 

Conforme a secretária, é de suma importância que o plano seja reavaliado periodicamente, levando em conta a volatilidade dos dados epidemiológicos e conceitos técnicos, referentes a Pandemia da Covid-19. A dirigente acrescenta que, "de uma perspectiva de saúde pública, a decisão de fechar ou reabrir escolas deve ser orientada por uma abordagem baseada no risco, levando em consideração a epidemiologia da Covid-19 em nível local, a capacidade das instituições educacionais de adaptar sua estrutura interna de atendimento aos estudantes, operarem com segurança, estes atendimentos, o impacto do fechamento de escolas na perda educacional, equidade, a saúde geral e bem-estar das crianças, adolescentes e adultos, e o alcance de outras medidas de saúde pública sendo implementadas fora da escola".

 

As decisões sobre o fechamento total, parcial ou reabertura devem ser tomadas em um nível administrativo local, com base no nível local de transmissão de SARS-CoV-2 e a avaliação de risco local, bem como se a reabertura de ambientes educacionais pode aumentar a transmissão na comunidade escolar.

 

A aprovação do plano não significa que as aulas presenciais já retornarão nas escolas municipais. As medidas contidas no documento representam o protocolo a ser cumprido quando as aulas presenciais retornarem nas instituições educacionais.

 


PUBLICIDADE
PUBLICIDADE