PUBLICIDADE
Caarapó

Policiais federais de Naviraí são presos no Paraguai

| TV MORENA


Dois agentes, um escrivão e um delegado da delegacia da Polícia Federal em Naviraí, que estavam participando a Operação Sentinela foram presos na manhã desta segunda-feira (22), em Salto Del Guairá, no Paraguai, pela Polícia Nacional, por entrarem sem autorização e armados no país vizinho.
 

Segundo o jornal paraguaio ABC Color, os dois primeiros a serem presos foram os agentes P.E.F.F. e G.P.M.. Participando da Operação Sentinela, uma ação do governo brasileiro para combater o crime na fronteira, que envolve além da Polícia Federal, o Exército, a Receita Federal e outros órgãos de segurança pública, eles teriam entrado no território paraguaio por volta das 11 horas, em perseguição a um carro brasileiro que levava pneus que estavam sendo contrabandeados do Paraguai para o Brasil.
 

Os policiais federais brasileiros estavam em uma caminhonete Nissan, preta, caracterizada com o logotipo da Polícia Federal. Eles perseguiam um Volkwagem Santana Quantum, placa CCK-3300, de Ivaiporã (PR), que era conduzido por F.C.V.. O carro levava nove pneus novos, que tinham sido comprados em uma loja de Salto Del Guairá, quatro estavam rodando no veículo e cinco no seu interior.
 

Conforme a matéria do jornal, após a compra dos pneus o motorista do Santana seguiu por um caminho alternativo a rodovia que faz a ligação convencional entre os dois países, até que a cerca de 800 metros da fronteira, avistou uma barreira da Polícia Federal. Os policiais fizeram sinal para que ele parasse, mas o condutor fez meia volta, sendo então perseguido pelos agentes, que teriam chegado a disparar tiros contra o veículo.
 

Durante a perseguição, o carro da Polícia Federal chegou a bater no carro do suspeito para deter o veículo, fazendo em seguida a prisão dele. Neste momento, os policiais federais foram presos pelos agentes da Polícia Nacional paraguaia, porque entraram sem autorização e armados no país. Junto também foi detido o acusado de contrabando.
 

Pouco depois, um segundo carro da Polícia Federal, um Fiat Palio, com o delegado F.A.C.G. e o escrivão E.de O.B., chegaram ao local para tentar libertar os dois policiais que haviam sido presos. Eles também foram detidos, pelo mesmo motivo.
 

A Polícia Paraguaia apreendeu as armas dos policiais federais brasileiros, quatro pistolas Glock, com três carregadores cada, e os encaminhou junto com os veículos e o acusado de contrabando para a delegacia de Salto Del Guairá.
 

Os policiais brasileiros prestaram depoimento em que disseram que entraram no território paraguaio porque estavam há pouco tempo na região e não tinham conhecimento do atual limite de fronteira entre os dois países.
 

Recorrente
 

Em outubro do ano passado, dois policiais federais brasileiros, A.M, e L.C.R. Também foram presos pela Polícia Nacional do Paraguai, em Capitan Bado porque entraram de carro no país vizinho sem autorização e portando armas.
 

Os policiais brasileiros disseram que passaram de Coronel Sapucaia, em Mato Grosso do Sul, para a cidade paraguaia em uma perseguição a um traficante, em uma ação que estaria sendo realizada em conjunto com a Secretaria Nacional Anti-Drogas (Senad), do governo paraguaio. Com os agentes da Polícia Federal, os policiais paraguaios apreenderam um verdadeiro arsenal com duas pistolas Clock com seus carregadores, uma pistola Taurus, uma sub-metralhadora com duplo carregador e mira telescópica, dois coletes a prova de balas com o símbolo da PF, 115 baladas calibre 5,56 TBT, perucas, câmeras fotográficas e celulares.

Os policiais eram de São Paulo e estavam participando de uma operação que era comandada pela Delegacia da PF em Guairá, no Paraná. Ele passaram um dia detidos e tiveram que pagar uma multa de R$ 1 mil cada um, antes de serem libertados. O incidente, entretanto, não teve desdobramento e com a punição pecuniária o caso foi encerrado pelas autoridades paraguaias. (Com informações Com informações do jornal paraguaio ABC Color)


PUBLICIDADE
PUBLICIDADE