PUBLICIDADE
ponta porã

Ex-presidiário é executado por pistoleiros e menino de 9 anos baleado

A execução ocorreu em uma empresa de funilaria e pintura, onde o ex-prediário trabalhava

| CAMPO GRANDE NEWS


Anderson tentou fugir, mas caiu dentro de casa e recebeu mais tiros (Foto: Direto das Ruas)

Depois de breve calmaria, a guerra do crime voltou com força total na linha internacional entre Mato Grosso do Sul e o Paraguai. Na tarde desta sexta-feira (25), mais um envolvido com negócios ilícitos na fronteira foi executado em Ponta Porã. 

O ex-presidiário Anderson e Silva Gomes, 40, foi morto a tiros de pistola calibre 9 milímetros em uma oficina mecânica localizada na Rua Astolfo do Amaral, 692, no Jardim Planalto. Um menino de 9 anos de idade foi atingido por um dos tiros na perna e levado para o Hospital Regional para retirada do projétil. Ele não corre risco de morte.

Segundo a Polícia Civil, Anderson tinha antecedentes por tráfico de drogas. Ele passou um tempo no regime fechado do sistema penitenciário estadual e estava em liberdade há um mês.

A execução ocorreu em uma empresa de funilaria e pintura, onde o ex-prediário trabalhava. A ocorrência policial cita que Anderson costumava frequentar o local, mas ele já tinha postado fotos em redes sociais com uniforme da empresa.

Por volta de 14h, homem ainda não identificado chegou ao local de moto e passou a conversar com Anderson. Depois de algumas palavras, ele sacou a pistola e começou a atirar no ex-presidiário.

Mesmo ferido, Anderson correu e tentou se esconder na casa que fica no mesmo terreno da oficina, mas foi alvejado por mais tiros e caiu na sala, onde morreu. Um dos tiros acertou o menino, que mora no local. O delegado Patrick Linares da Costa esteve no local para os procedimentos de rotina, mas até agora não há pistas do matador.

Outra execução – Ontem à noite, o comerciante e pastor Kleber Rocha Pinto, 59, foi executado com três tiros por dois pistoleiros. Ele estava na empresa dela, uma distribuidora de refrigerantes, quando foi atingido por pistoleiros de moto.

Em 1998, Kleber esteve envolvido no assassinato do agente da Polícia Federal Marcos Soares Assunção, o “Rambo”. Estudante de direito na época, Kleber foi acusado de emprestar a moto usada pelo pistoleiro que matou “Rambo”, em Dourados. Kleber chegou a ser julgado como mandante do crime, mas foi absolvido. A morte do policial completou 23 anos dia 23 deste mês.


PUBLICIDADE
PUBLICIDADE