PUBLICIDADE
Política

PTB fecha com André Puccinelli e ignora ameaça de debandada

| MIDIAMAX


Por nove votos a um, a executiva regional do PTB decidiu, nesta manhã, pela aliança com o governador André Puccinelli (PMDB) nas eleições de outubro. A proposta do ex-governador Zeca do PT, o primeiro a procurar o partido para propor uma coligação, foi rejeitada. A reunião desta manhã, na sede do partido, em Campo Grande, foi tensa e marcada por protestos de filiados que acusam dirigentes de terem “vendido” o PTB.

Um grupo de filiados no qual se incluem o presidente da Acrissul (Associação dos Criadores de Mato Grosso do Sul), Chico Maia e o empresário de Aquidauana e ex-pretenso candidato ao governo, Zelito Ribeiro ameaça deixar a legenda. Eles desconfiam que a proposta de André só foi aceita porque o governador teria oferecido dinheiro ao partido.

O presidente regional da legenda, Ivan Louzada, nega as acusações e adianta que não fará qualquer esforço para manter os insatisfeitos filiados ao partido. “Quem quiser sair que saia. A porta do PTB é uma só”, afirmou dirigente em entrevista coletiva logo após a reunião.

Dos 14 membros da Executiva, 10 compareceram. Apenas um dos presentes, Salatiel Zózimo Ricas, presidente do diretório do PTB, em Mundo Novo, e tesoureiro do Diretório Regional, votou pela proposta de Zeca do PT. Mas, apesar de não concordar com a escolha de André, ele não pretende se desfiliar. “Fui voto vencido. Agora, vou seguir a maioria”, explicou.

Propostas

Zeca do PT ofereceu ao partido a vaga de vice-governador, duas secretarias em um eventual governo, duas suplências de senador e ainda estrutura para eleição de deputados estaduais e federais.

André Puccinelli foi bem mais modesto em seu oferecimento. Não propôs qualquer espaço na majoritária, mas especificou que tipo de apoio daria aos candidatos a deputado estadual e federal. Ele promete estrutura jurídica e financeira para campanha dos pretensos parlamentares com a produção de materiais gráficos e divulgação em rádio e TV.

Na proposta consta ainda que o PTB poderá indicar nomes para seu eventual segundo mandato. Contudo, André não menciona cargos. O PTB também terá liberdade para lançar candidatos a prefeito e vereador nas eleições de 2012 e será, segundo o texto apresentado pelo governador, tratado como aliado no pleito eleitoral.

Os dirigentes não liberaram cópias da proposta, mas Ivan Louzada permitiu a leitura pública dos textos. Louzada sempre demonstrou simpatia pela proposta de André por considerá-la mais segura para o partido. A cúpula petebista acredita que André tenha mais chances de vitória nas eleições de outubro.

Conforme Ivan, petebistas que rejeitam a proposta oferecida por André estariam, na verdade, a serviço de outros partidos. “Numa reunião fechada, o Zelito atendeu ao telefone celular e disse que precisava se retirar pois Schimidt e Dagoberto estavam chamando”, contou se referindo ao presidente e ao deputado federal do PDT.

“Se eles estão a serviço de outro partido, tenho a dizer que a porta do PTB é a mesma para entrar e para sair. Entrei aqui sem eles e posso continuar sem”, afirma.

Ivan Louzada que deixou a sede do partido e seguiu para Brasília disse que vai levar o resultado da reunião da Executiva para o presidente nacional do PTB, o ex-deputado federal Roberto Jefferson. Com a saída de Louzada do ambiente, filiados permaneceram ali reclamando da decisão da Executiva e fazendo acusações contra o dirigente.


PUBLICIDADE
PUBLICIDADE