PUBLICIDADE
Geral

PF não consegue retirar indígenas invasores em Sapucaia

| SR AMAMBAI


Existem  dois processos que tramitam na Justiça Federal de Ponta Porã. Em um deles, através de ordem judicial, foi determinada a retirada de um grupo indígena que esbulhou a propriedade Nossa Senhora Auxiliadora, no município de Coronel Sapucaia. O outro que é referente a dois grupos do MST (FAF e CUT) que invadiram a Fazenda Piquenique (área produtiva que é objeto de uma ação de desapropriação que ainda está em curso - autos n. 2008.60.05.001807-1).


Quanto ao grupo indígena, desde o dia 10 de março os seus líderes estão intimados a se retirar da fazenda quando a juíza concedeu liminarmente em audiência, o pedido de reintegração de posse nos autos n. 2010.60.05.000052-8, porém, os oficiais de justiça, acompanhados da Polícia Federal, já se dirigiram duas vezes ao local e não obtiveram êxito na “retirada” (salienta-se que a PF estava somente com, no máximo, quatro agentes).


No processo referente aos indígenas, notícia que se tem e vem  diretamente dos oficias de justiça  e da Polícia Federal de Ponta Porã, é que a ordem não foi cumprida sob alegação de que a PF local não dispõe de agentes suficientes para efetuar o trabalho. No entanto, a juíza, há dias, oficiou à PF no sentido de cumprir a ordem, mas até a presente data nada foi realizado.


Os índios pediram prazo de trinta dias para se retirar, pois alegam não terem lugar para ir. Porém, tal alegação é falsa e perigosa, tendo em vista que os mesmos estão inclusive construindo uma igreja dentro da propriedade e, conclui-se, que os mesmos não sairão voluntariamente.


Já quanto à Fazenda Piquenique, os trâmites para cumprir a ordem estão sendo os mesmos, qual seja: a PF está “aguardando mais efetivo” pois alega que o que tem na região não é suficiente para retirar os sem-terras.


O Sindicato Rural de Amambai e a Famasul estão preocupados com esse pouco caso com que estão sendo tratados os produtores e já estão se mobilizando para tomar as providências para que as ordens judiciais sejam cumpridas conforme determinou a Justiça.


PUBLICIDADE
PUBLICIDADE