PUBLICIDADE
Política

Para Moka, apoio de André a Dilma seria desvantagem eleitora

| MIDIAMAX


“Não seria vantajoso eleitoralmente o André dar palanque para Dilma [pré- candidata do PT à Presidência]”. A afirmação é do deputado federal Waldemir Moka (PMDB), pré-candidato ao Senado pelo partido. Ele participa nesta manhã de uma atividade com o prefeito Nelson Trad Filho (PMDB) no colégio Osvaldo Cruz.

Moka deixou claro que na opinião dele o melhor a ser feito é o PMDB de Mato Grosso do Sul apoiar a candidatura de José Serra (PSDB). A repercussão veio após o Midiamax publicar no domingo a matéria “Para Zeca, André tem obrigação de apoiar Dilma em MS”.

O ex-governador Zeca do PT, principal adversário político do governador André Puccinelli (PMDB), falou sobre o assunto em reunião política ontem. “O André tem obrigação moral e de gratidão com o governo federal, com o tanto de recursos que foram destinados com o PAC. O Lula tem que dar uma ordem, tem que obrigar o atual governador a estar do lado da Dilma”, afirmou Zeca.

Moka se posicionou contrário e elencou as razões. Primeiro, segundo ele, o fato de Zeca do PT sair candidato ao Governo em uma campanha vinculada à da ministra Dilma Roussef. Segundo, no caso de André e Zeca apoiarem a petista, os tucanos de Mato Grosso do Sul seriam obrigados a lançar a senadora Marisa Serrano ao Governo para garantirem um palanque ao ex-governador de São Paulo, pré-candidato à Presidência pelo PSDB, José Serra.

“O PMDB ficaria no meio e o Zeca ainda ‘bateria’ em seus discursos no André e ainda, a Marisa tiraria votos do André”. Diante dessa análise, Moka deixa claro que a melhor saída para o partido dele seria ficar com José Serra.


PUBLICIDADE
PUBLICIDADE