PUBLICIDADE
Política

Delcidio e Dagoberto lideram disputa ao Senado em MS

| MIDIAMAX


Os candidatos da coligação do ex-governador Zeca do PT ao senado, Delcídio do Amaral (PT) e Dagoberto Nogueira (PDT), lideram a disputa ao senado, segundo pesquisa IBRAPE, divulgada hoje no jornal Correio do Estado.
 

Segundo a pesquisa, o senador Delcídio do Amaral está em primeiro lugar e apresenta um grande favoritismo, com 61% das intenções. Esse favoritismo vem sendo demonstrado desde agosto de 2009, quando Delcídio estava também em primeiro lugar com 57%. Já em outubro de 2009, ele estava com 61%, percentual esse que foi mantido em abril desse ano.
 

Em segundo lugar, com expressiva ascensão aparece, com 30%, o deputado federal Dagoberto Nogueira (PDT), que de agosto de 2009 a abril desse ano cresceu 18 pontos percentuais. Em relação à última coleta, em outubro, cresceu 7 pontos percentuais.
 

Em terceiro e quarto surgem os candidatos da coligação do governador André Puccinelli. O deputado Moka tem 26%, e o vice-governador Muirlo Zauith registra 18%. Em abril de 2009, Moka estava com 19% e, em outubro, chegou a 21%. Portanto, de agosto até agora subiu 7 pontos.
 

O vice-governador Murilo Zauith está em quarto lugar com 18%, porém, de agosto de 2009 a abril desse ano, o seu crescimento foi superior ao de Moka. Em agosto de 2009, tinha 8%, em outubro subiu para 14% e agora está com 18%. Dessa forma, enquanto Moka cresceu 7 pontos percentuais, Murilo teve um crescimento de 10 pontos percentuais.
 

Segundo a pesquisa, 6% dos eleitores afirmaram que votariam branco ou nulo, enquanto que 20% ainda não sabem em quem votar.
 

A pesquisa que foi realizada entre os dias 8 e 14 deste mês, com 1.647 entrevistas. A margem de erro é de 5 pontos percentuais, para mais ou para menos.
 

Conforme a legislação, cada Estado brasileiro tem três senadores. Nas eleições de 2010 serão renovadas duas cadeiras de cada unidade da federação. Portanto, o eleitor poderá votar em dois candidatos.
 

O deputado federal Dagoberto Nogueira comemorou seu crescimento na intenção de votos. "É o resultado de um trabalho desenvolvido em todo meu mandato e também junto ao PT e ao PDT", comemorou.
 

Já o também deputado federal Waldemir Moka acredita que o quadro pode mudar, principalmente quando um trabalho melhor for desenvolvido na campanha na Capital. "Meu trabalho ainda é centrado e mais conhecido no interior, mas vamos trabalhar mais", disse.
 

No DEM, o líder do regional do partido, deputado estadual Zé Teixeira disse que assim que for decidida a suplência do vice-governador Murilo Zauith, o quadro tem chances de mudar. "Com uma suplência forte em Campo Grande, teremos chances reais de ganhar as eleições junto com o Moka", declarou.
 


PUBLICIDADE
PUBLICIDADE