PUBLICIDADE
Política

PRP confirma que ex-presidiário é candidato a deputado em Dourados

| CAARAPONEWS


Waldemar Gonçalves - Russo

  Em Dourados, a cúpula do PRP (Partido Republicano Progressista) mesmo em plena campanha Nacional pelos candidatos aos cargos eletivos denominados de “ficha limpa” definiu que dos três postulantes a concorrer a AL (Assembléia Legislativa) em outubro deste ano, um deles será o ex-presidiário e hoje comerciante José de Arimatéia Mendonça Nogueira, o “Zé Baiano”.
  De acordo com informações do PRP em entrevista ao jornal O Progresso através do presidente da Executiva Municipal do partido em Dourados, José da Silva Neto, o “Peninha”, a cúpula está se preparando para as eleições gerais e já decidiu que lançará além de “Zé Baiano” como candidato para disputar uma ou mais das 24 cadeiras na Assembléia Legislativa numa coligação com o PV (Partido Verde) na chapa proporcional, o agricultor Silas Zanatta e o músico Zé Carlos Capoano.
  José da Silva Neto, o “Peninha” disse ontem que o partido deve confirmar o lançamento dos três candidatos na segunda maior cidade do Estado após ser realizado a convenção municipal do partido.
  ZÉ BAIANO
Entre os três pré-candidatos do PRP, “Zé Baiano” a principio é o que traz a proposta mais polêmica de trabalho do partido douradense.
  Segundo “Zé Baiano”, ele pretende ser o candidato da massa carcerária de Mato Grosso do Sul, principalmente dos presos que estão sendo processados e que terão direito a voto nas eleições de outubro, bem como dos familiares e amigos desses detentos. "Decidi me candidatar porque senti na pele a problemática do sistema carcerário em nosso Estado, uma realidade que na verdade não se resume a Mato Grosso do Sul, mas a todo o país", enfatizou o ex-presidiário.
  “Zé Baiano” conta que a sociedade não pode agir de forma a fazer vistas grossas ao problema, já que o preso tem que responder pelos seus atos, mas de forma digna e humana. "O modelo de sistema que temos atualmente no Brasil não recupera ninguém, na verdade é uma escola da criminalidade", desabafa. "Sou um ex-detento e não tenho receio ou vergonha em dizer isso. A experiência de uma cadeia é dolorosa, mas nos faz refletir sobre muitos valores importantes na vida que muitas vezes passam despercebidos", argumenta. "Hoje dou muito mais valor à vida, a liberdade, a minha família e ao estudo", conclui.
  Para o pré-candidato, o problema da criminalidade tem muito a ver com a falta de investimentos na educação pública. "Se dermos condições para as nossas crianças estudarem e puder se formar nas grandes universidades, em situação igual a das crianças de famílias de melhor poder aquisitivo, com certeza vamos reduzir e muito o número de presos nos presídios do país", defende.
  Zé Baiano entende que o Brasil precisa resolver com urgência o problema do abismo social, que em minha opinião é o fator preponderante no aumento da criminalidade. "Não estamos aqui defendendo um preso condenado por crime hediondo por exemplo, mas também não podemos ser hipócritas em dizer que a falta de perspectiva de vida não seja um agravante para a prática criminal", enfatiza. "Não estou de forma alguma fazendo apologia ao crime, se o cidadão errou, contrariou a Lei ele tem que responder pelos seus atos, responder sim, cumprir sua pena de forma digna, como ser humano que é", destaca.
  O ex-presidiário afirma também que na condição de deputado terá como meta criar um sistema de atendimento aos internos, oferecendo-os assistência jurídica, já que um dos problemas da superlotação nas cadeias públicas se justifica principalmente pelo fato do Estado não se preocupar em desafogar essas cadeias, acelerando os processos de internos que já cumpriram sua pena. "Hoje, com a aprovação do direito a voto ao preso provisório, pode ser que nossos políticos vejam o sistema penitenciário por um novo prisma, até porque até então não havia qualquer interesse em se resolver a questão da massa carcerária, ela não dava resultado algum aos homens públicos, na visão deles só gasto mesmo", argumenta.

"É evidente que um preso custa muito ao Estado, mas se resolvermos esse problema da raiz como já disse anteriormente, estaríamos atuando na prevenção e não na repressão o que sai mais em conta e reflete em resultados mais satisfatórios" acrescentando "Quero deixar bem claro que não sou um pré-candidato dos presos, mas sim que pretendo atuar na garantia dos direitos da massa carcerária, como também pretendo atuar com firmeza na elaboração de projetos, de ações, que colaborem para a reestruturação do sistema penitenciário e ainda da melhoria do ensino público em nosso Estado, na melhoria da condição de vida de nossos sul-mato-grossenses", finalizou ele satisfeito por ter se filiado ao partido. (Com reportagem de Marcos Santos)

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE