PUBLICIDADE
Geral

Cadeirante é aprovado em concurso mas não é chamado

| G 1


Um cadeirante, que passou em primeiro lugar em um concurso público para fiscal do Conselho de Medicina Veterinária, que controla o exercício da profissão, entrou na Justiça para obter o direito à vaga depois que o segundo colocado foi chamado antes dele para o cargo. O caso aconteceu e chamou atenção no interior de São Paulo.


No edital do concurso nada dizia que ele não poderia participar. Ao contrário, até havia vagas reservadas para deficientes. Decidido a superar mais este obstáculo, João Paulo Fernandes Buosi agora busca ajuda da Justiça.


O médico veterinário, funcionário da prefeitura de Jales, a 600 quilômetros de São Paulo, que já trabalhou em função semelhante no Paraná, acompanhou passo a passo a publicação dos convocados. Para surpresa do candidato, o segundo colocado foi chamado antes dele. “Tem que falar para outra pessoas que você é capaz. Isso é muito frustrante”, reclama o veterinário.


Inconformado com a situação, João Paulo decidiu procurar o Ministiério Público Federal e só quando a Procuradoria da República entrou no caso, o Conselho de Medicina Veterinária do estado de São Paulo decidiu chamar o candidato para uma perícia médica que vai dizer se ele pode ou não exercer a atividade.


“Na hora de fazer o concurso, a documentação dele mostrou que ele estava apto. O conselho o aceitou e simplesmente depois de aprovado, foi ignorada a ordem de classificação e ele não foi nomeado”, explica o procurador da República Thiago Lacerda Nobre.


O representante do Conselho de Medicina Veterinária diz que o candidato não foi chamado porque não se enquadrava nos requisitos para o cargo, mas a posição será revista.


“A Procuradoria fez a recomendação e o conselho prontamente entendeu da neciessidade de rever os seus atos e assumiu os erros administrativos e está chamando o candidato para rever situação”, diz Fernando Buchala, delegado regional do Conselho de Medicina Veterinária.


“É uma pessoa batalhadora que foi atrás dos direitos e hoje eu posso dizer que graças a ele, que procurou o Ministério Público Federal e que permitiu a nossa atuação, ele está reintegrado no concurso e hoje pode continuar no processo seletivo”, diz o procurador Thiago Lacerda Nobre.


“É mais a sociedade incapaz de receber o cadeirante, não permitindo a acessibilidade, do que o cadeirante incapaz de se incluir”, fala o veterinário.


João Paulo já passou pela perícia médica, mas ainda não recebeu o resultado da avaliação.

 

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE