PUBLICIDADE
Caarapó

Equipe do Fantástico é abordada por policiais encapuzados em MS


A reportagem sobre a prisão de um fazendeiro terminou em susto para uma equipe do Fantástico, da TV Globo, na madrugada desta sexta-feira (21). Era por volta de 1h quando os repórteres Maurício Ferraz e Eduardo Mendes foram surpreendidos por dezenas de policiais federais encapuzados em Três Lagoas (MS), cidade que faz divisa com o estado de São Paulo.


A equipe voltava de Mato Grosso do Sul acompanhada dos policiais civis de Araçatuba, a 527 km de São Paulo, que haviam feito a prisão do suspeito. Nos instantes que se seguiram, os policiais federais apontaram as armas para a equipe. O desentendimento tem uma explicação: os agentes pensavam que a Polícia Civil estava envolvida num contrabando de armamento.


Três investigadores foram algemados. Enquanto o desentendimento ocorria, a reportagem gravou a ação dos federais. Um dos agentes caminhou até os repórteres e perguntou: “Vocês são?”. Os repórteres responderam que eram da TV Globo, mas o agente, desconfiado, replicou: “Ah, tá! O pessoal falou que vocês eram da [Polícia] Civil”. A equipe explicou: Não. Eles são da [Polícia ]Civil. Eu ‘tô’ com eles. Nós estamos vindo de uma operação.”


O clima continuou tenso. Os policiais federais vasculharam o carro dos investigadores e, quando viram armas, comemoraram com tiros, pois acharam que tinham encontrado quem eles procuravam. Na verdade, as armas pertencem à Secretaria da Segurança Pública de São Paulo.


Para o delegado federal Sérgio Felipe Barreto, a operação “foi dentro de todos os preceitos institucionais”. “Sem dúvida iremos apurar a repercussão administrativa deste evento”, afirmou.


Os agentes também tentaram impedir que a equipe gravasse as cenas. Os repórteres foram liberados pelos policiais. Nenhum equipamento foi apreendido. Os policiais civis foram soltos. Eles registraram um boletim de ocorrência contra os policias federais por abuso de autoridade e constrangimento.
 


PUBLICIDADE
PUBLICIDADE