PUBLICIDADE
Geral

Servidores dos Correios páram hoje na capital

| FLáVIO VERãO / DOURADOSAGORA


Os funcionários do Correios estão em protesto contra a estatal que insiste em não realizar o concurso público para o preenchimento das 6.565 vagas abertas em dezembro de 2009.

 

Desde o início do ano a empresa vem omitindo a data para realização das provas que tem mais de um milhão de inscritos em todo o país.

 

Os funcionários cobram ainda uma série de reivindicações, como a transformação dos Correios em Sociedade Anônima (S/A) e o fim do projeto de lei 3677/2008, que acaba com o monopólio postal.

 

Em alguns estados do país acontece hoje paralisação durante 24 horas. Os funcionários vão à frente das agências cobrar solução da gerência da estatal.

 

O Sindicato dos Correios decidiu paralisar as atividades nas duas primeiras horas de trabalho, nas cinco maiores cidades do estado.

 

Os trabalhadores querem mostrar que a população brasileira é vítima de mais um ataque aos Correios. Grandes empresas querem explorar o mercado postal que mais cresce no mundo.

 

“Essa exploração será à custa de cada usuário dos Correios, que ficará sem o atendimento em várias localidades, já que os empresários pensam no lucro, deixando de lado o caráter social da empresa, que está presente em todos os municípios”, diz o presidente do sindicato dos Correios de MS, Alexandre Takashi.

 

Ele informa que os trabalhadores são vítimas tanto quanto a população. A falta de funcionários atrasa a entrega de correspondências e obriga os servidores trabalhem além do limite. No estado são aproximadamente 1.400 funcionários e segundo o presidente da entidade seria necessário pelo menos mais 100.

 

“Ainda não temos nenhuma informação sobre a realização do concurso. O único dado que nos passaram é que a empresa que estaria a frente do concurso seria a Fundação Carlos Chagas, mas sem prazo para realização de provas”, informou.

 

Por todo o país o questionamento dos funcionários é que a direção dos Correios tenta sucatear o serviço para mudar a opinião pública, que sempre foi defensora da empresa.

 

A categoria busca o apoio da população contra a medida provisória, que pretende homologar a mudança da ECT para Sociedade Anônima, criando os Correios do Brasil S/A. Essa alteração significa o primeiro passo para a privatização da estatal.

 

Desde segundafeira o sindicato tem percorrido as cinco maiores cidades do estado. A primeira foi Ponta Porã e ontem foi a vez de Dourados. Hoje a categoria estará com carro de som mobilizando a sociedade defronte as agências de Campo Grande. Amanhã será realizado em Três Lagos e para fechar o ciclo, o protesto se encerra na sextafeira, em Corumbá.


PUBLICIDADE
PUBLICIDADE