PUBLICIDADE
Caarapó

Médico de Caarapó fala sobre câncer de próstata

O clínico geral, Dr José Carlos Gonçalves, falou esta semana sobre o câncer de próstata

| CAARAPONEWS


Por José Carlos

O clínico geral e especialista em angiologia, Dr José Carlos Ferreira Gonçalves, falou esta semana ao Caarapó News sobre o câncer de próstata.
 

  De acordo com o médico, o câncer de próstata é o tumor mais comum em homens com mais de 50 anos de idade. “A próstata é uma glândula localizada próximo a bexiga cercando a uretra em sua porção inicial. A origem do câncer é desconhecida, entretanto, presume-se alguns fatores que possam influenciar o seu desenvolvimento”, falou.
    Gonçalves disse que entre os possíveis fatores estão: Fator genético: há uma incidência maior em familiares portadores desta doença. Fator hormonal: é importante, pois essa neoplasia (câncer) regride de maneira significativa com a suspensão dos hormônios masculinos (Ex: castração). Fator dieta: dietas ricas em gorduras predispõem ao câncer e dietas ricas em fibras e tomate diminuem o seu aparecimento. Fator ambiental: fumaças de automóveis, cigarros, fertilizantes e outros produtos químicos estão sob suspeitas.
    O médico alertou sobre o que o paciente sente: Nas fases iniciais a doença é muito silenciosa. “Não sente nada (aí que está o perigo). O tumor somente é detectado em exames clínicos (toque retal) e laboratoriais de rotina - Antígeno Prostático Especifico (PSA), é feito pelo sangue. O mesmo não é especifico do câncer de próstata. Pode alterar em outras patologias da próstata”, informou.
    O Dr José Carlos também deixou claro como é feito o diagnóstico: Todo homem acima de 45 anos deve realizar o toque retal e dosagem de PSA, principalmente aqueles com história familiar de câncer de próstata. “Quero frisar que o exame de sangue (PSA) é muito seguro e simples. Em caso de PSA elevado, o paciente deve se submeter à biopsia de próstata e exame Anatomo-patológico dos fragmentos da próstata (biopsia)”, esclareceu.
    “Assim que for constatado o câncer de próstata outros exames devem ser realizados para saber o estágio em que está o tumor. Temos alguns exemplos: Tomografia e ressonância magnética de abdômen, raios-X de tórax, raios-X do esqueleto ósseo (Ex – Bacia), a fim de saber se o tumor já atingiu outros órgãos do nosso corpo ou se está restrito a próstata. Podemos realizar a cintilografia óssea (se há metástase no esqueleto)”, comentou.
    O clínico geral falou também sobre o tratamento do câncer de próstata:  “O tratamento da referida doença é muito controverso, pois são muitas as variáveis. Temos que observar alguns itens: Idade dos pacientes, níveis de PSA, estágio do tumor, entre outros itens. Devemos discutir também com o paciente as complicações do tratamento. Então podemos optar qual o tipo de tratamento que será realizado: Radioterapia; Prostatectomia Radical (retirada completa da próstata); Hormônioterapia; Expectativa de vida sem a doença - estes pacientes quando muito idosos se beneficiarão com tratamentos menos agressivos; Castração (retirada dos testículos) – orquiectomia: problemas culturais e psicológicos levam esta opção a um tratamento indesejado”, explicou.
    “Temos que levar em consideração o que é melhor para o paciente e ter sua concordância no tratamento que será submetido. Logicamente não podemos deixar de alertar todos os pacientes das complicações que podem surgir com o tratamento. Atualmente a radioterapia esta muito avançada e tem colhido o melhores resultados e as complicações são menos agressivos (impotência sexual, incontinência urinaria). A retirada completa da próstata é indicada quando há compressão da uretra (retenção urinaria)”, argumentou.
    “Com relação ao prognóstico depende do estágio da doença. Quanto mais precoce (cedo) o diagnóstico e tratamento melhor será o prognóstico. Os casos constatados com a evolução da doença entre 1 a 3 anos, geralmente o tratamento é totalmente eficaz – o paciente esta livre da doença. O que piora o prognóstico é a falta de informação e iniciativa do seu médico em pedir os exames de próstata a partir dos 45 anos de idade. Fica aqui um pedido explícito e claro que para melhorar o prognóstico desta doença é necessário que os homens acabem com o preconceito e façam os exames preventivos da próstata, principalmente o PSA (sangue)”, comentou.
    O Dr José Carlos Ferreira Gonçalves deixou algumas dicas sobre as perguntas que o paciente pode e deve fazer ao seu médico: Existem maneiras de fazer o diagnóstico; precoce do câncer de próstata? Existe cura para o câncer de próstata? Como se trata este câncer? Devo operar ou não?
    Mais informações sobre câncer de próstata na Clínica Santa Bárbara ou no telefone 3453 1694.

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE