PUBLICIDADE
pelo mundo

G7: China precisa pressionar Rússia a encerrar guerra na Ucrânia

Os líderes do G7 comprometeram-se a trabalhar juntos para garantir condições equitativas a suas empresas e trabalhadores

| ISTO É


Líderes do G7 posam para foto durante cúpula na Alemanha

Por Philip Blenkinsop

GARMISCH-PARTENKIRCHEN, Alemanha (Reuters) – Líderes do G7 pediram nesta terça-feira que a China use sua influência com a Rússia para encerrar a invasão da Ucrânia e abandone “amplas reivindicações marítimas” no Mar do Sul da China, em uma crítica dura sem precedentes às políticas e o histórico de direitos humanos de Pequim.

Eles fizeram um apelo à China que pressione a Rússia para retirar forças da Ucrânia imediatamente e incondicionalmente, citando uma decisão da Corte Internacional de Justiça de que Moscou suspenda sua operação militar e resoluções relacionadas da Assembleia Geral da ONU.

Em um comunicado concluindo a cúpula de três dias nos Alpes da Baviera, o Grupo das Sete democracias industriais ricas mirou o que chamou de políticas chinesas coercitivas não-mercado que distorceram a economia global.

A parte chinesa do comunicado, destacada pelos Estados Unidos, referiu-se às “intervenções não transparentes e que distorcem o mercado” da China e outras formas de diretrizes econômicas e industriais.

Os líderes do G7 comprometeram-se a trabalhar juntos para garantir condições equitativas a suas empresas e trabalhadores.

O comunicado também expressou séria inquietação sobre a situação nos mares do Leste e do Sul da China e tentativas unilaterais de mudar o status quo pela força ou coerção.

Além disso, o G7 está agora “gravemente preocupado” – um termo não usado em sua cúpula há um ano – com a situação dos direitos humanos na China, incluindo trabalho forçado no Tibet e em Xinjiang. A China também deve honrar seus compromissos de defender os direitos, a liberdade e um alto grau de autonomia em Hong Kong, disseram.


PUBLICIDADE
PUBLICIDADE