PUBLICIDADE
Caarapó

PMN se afasta do PT e deve fechar com Puccinelli

Outra dificuldade para a aliança com o grupo de Zeca foi a exigência de um chapão

| MIDIAMAX


Depois de meses construindo uma aliança com o grupo político de Zeca do PT, o PMN deu uma guinada e deve fechar com o governador André Puccinelli (PMDB) que tentará a reeleição. A posição pode ser fechada na próxima semana quando a secretaria nacional do PMN, Telma Ribeiro dos Santos, estará em Campo Grande.

O presidente regional do partido, Adalton Garcia, conta que nacionalmente o PMN fechou apoio ao presidenciável José Serra, do PSDB, o que dificultou a aliança com o grupo de Zeca no Estado. O PT como se sabe tem Dilma Rouseff como pré-candidata à presidência da República.
 

Outra dificuldade para a aliança com o grupo de Zeca foi a exigência de um chapão a deputado federal com candidatos petistas. De início, o PMN faria coligação apenas com o PDT para concorrer à Câmara Federal, mas os petistas pressionaram por uma composição mais ampla. Fato que levou o PMN a voltar a articular a candidatura própria ao governo do Estado.
 

Iara Costa que concorreu à prefeitura de Campo Grande em 2008 representaria a legenda. Porém, a cúpula nacional tem apelado para que os diretórios regionais se esforcem pela eleição de deputados federais que garantem maior participação da sigla no Fundo Partidário e maior tempo em TV.
 

Assim, o PMN pendeu para o lado do governador e Iara Costa concorrerá à Câmara Federal. A sigla deve participar de uma coligação com PMDB, DEM, PR e PSDB. Além de Iara, outro nome que o PMN deve lançar à Câmara é o sojicultor Anderson Nandai.
 

A entrada do PMN no grupo, conforme Adalton Garcia, já foi tema de duas reuniões com lideranças tucanas como a senadora Marisa Serrano e o presidente regional do PSDB, Reinaldo Azambuja. A secretária nacional do partido Telma Ribeiro também deve ter uma reunião com Marisa e Azambuja para sacramentar a parceria.
 

Com esta definição, o PMN engaveta a possibilidade de concorrer ao governo do Estado neste ano. “Seria a nossa chance de consolidar o nome de Iara Costa como liderança política. Mas, temos chance à Câmara Federal”, analisa.
 

Já Iara Costa diz que concorreria a qualquer cargo que o PMN definisse. “O que eu quero é atender o partido”, afirma Iara que apesar de ter engavetado o “plano A” de concorrer ao governo não demonstra desânimo com a mudança de planos.
 

Contudo, a guinada em direção a André Puccinelli por pouco não resultou em grandes perdas para o PMN. “É que nós filiamos muita gente que era ligada ao Zeca e ao PDT. Tivemos que fazer um processo de convencimento, mesmo assim perdemos duas pessoas que desistiram de concorrer a deputado estadual. Mas, 12 aceitaram a aliança com o PMDB e vão disputar as eleições”, comenta.

 


PUBLICIDADE
PUBLICIDADE