PUBLICIDADE
Caarapó

Secretaria de Saúde de Caarapó intensifica vacinação nos meses de agosto e setembro

| CAARAPONEWS


O PAM de Caarapó concentra vários serviços prestados pela rede municipal de saúde. Foto: Divulgação

A Secretaria Municipal de Saúde de Caarapó acaba de divulgar o cronograma de intensificação da vacinação do calendário básico para todas as idades referente aos meses de agosto e setembro. A imunização ocorrerá em dias e horários diferenciados.

De acordo com o Departamento de Vigilância Epidemiológica e Imunização, de 8 de agosto a 9 de setembro será realizada a imunização contra poliomielite e multivacinação para atualização de vacinação das crianças e adolescentes de zero a 15 anos. No dia 20 de agosto – sábado -, será realizado o ‘Dia D’ de Mobilização Nacional, das 8h às 16h, com vacinação oferecida em todas as unidades de saúde.

Aos sábados, a partir de 6 de agosto, o PAM fará plantão entre 13 e 17h para intensificar a vacinação – todas do calendário básico, incluindo a vacina da gripe e da Covid-19. Às quartas-feiras também haverá horário especial, das 17h às 21h, conforme o seguinte cronograma: sábado (6/8), das 13h às 17h, PAM; quarta (10/8), das 17h às 21h, PAM; sábado (13/8), das 13h às 17h, PAM; Dia D - sábado (20/8), das 8h às 16h, em todas as unidades de saúde; quarta (24/8), das 17h às 21h, PAM; sábado (27/8), das 13h às 17h, PAM.

Em setembro, o calendário de vacinação é o seguinte: sábado (3/9), das 13h às 17h, PAM; quarta (feriado de 7 de Setembro), das 8h às 12h, Praça Central; sábado (10/9), das 13h às 17h, PAM; sábado (17/9), das 13h às 17h, PAM; quarta (21/9), das 17h às 21h, PAM, e sábado (24/9), das 13h às 17h, PAM.

De acordo com Coordenador Municipal de Vigilância Epidemiológica e Imunização, Francisco Júnior de Oliveira Santos, as coberturas vacinais seguem em um processo de queda nos últimos anos, e em 2019 nenhuma vacina do calendário da criança atingiu a meta preconizada. “As baixas coberturas vacinais têm provocado sérios problemas à saúde dos brasileiros, principalmente pelo ressurgimento das doenças imunopreveniveis, que são responsáveis por elevados índices de morbimortalidade e internações hospitalares”, destacou.

Ana Cláudia Barbosa Ferreira, professora do curso de Enfermagem do Centro Universitário de Lavras (Unilavras), destaca que vacinar é uma forma simples, segura e eficaz de proteger as pessoas contra doenças, antes que entrem em contato com elas. Assim, a vacinação é uma forma de salvar vidas. “Elas têm a função de treinar o sistema imunológico para a produzir anticorpos, assim como ele faz quando é exposto a uma doença. A produção é realizada com formas mortas ou enfraquecidas de microrganismos como vírus ou bactérias. Dessa forma. elas não causam a doença, nem colocam as pessoas em risco”, pontua.

A professora explica que, quando uma pessoa recebe uma vacina, seu sistema imunológico responde assim: reconhece o microrganismo invasor, como o vírus ou a bactéria; produz os anticorpos específicos para combater as doenças; memoriza a doença e como combatê-la (através da memória imunológica ele se recorda e destrói rapidamente o agressor).

Além disso, segundo a docente, nosso sistema imunológico é projetado para lembrar. “Uma vez expostos a uma, ou mais doses de uma vacina, normalmente permanecemos protegidos contra uma doença por anos, décadas ou mesmo por toda a vida. É isso que torna as vacinas tão eficazes. Ao invés de tratar uma doença depois que ela ocorre, as vacinas nos previnem de adoecer”, esclarece.

Ainda conforme a professora de enfermagem, assim como acontece com os medicamentos, as vacinas devem passar por testes extensivos e rigorosos. Em contrapartida, os testes garantem a segurança das vacinas antes de elas serem introduzidas em um país.


PUBLICIDADE
PUBLICIDADE