PUBLICIDADE
Caarapó

Cirurgião dentista fala sobre Implante Dentário

O cirurgião disse que a taxa de sucesso atualmente para implantes dentais é superior a 95%

| CAARAPONEWS


Por José Carlos

Levando-se em consideração que às vezes o Brasil é tido por muitos como o país dos desdentados, o Caarapó News procurou esta semana o cirurgião dentista Edmar Cassaro para falar sobre “Implante dental”: a terceira dentição.
 

De acordo o Ministério da Saúde calcula-se que mais de 30 milhões de brasileiros  ou 17,6 da população do país apresentam alguma perca dentária, com necessidade de reposição dos mesmos. A situação dos dentes de adolescentes, adultos e idosos está entre as piores do mundo.
  Cassaro disse que os implantes dentais podem ser definidos com “raízes” artificiais instaladas (implantadas) no osso mandibular ou maxilar. Ao substituir as raízes dentais perdidas, possibilita a confecção de próteses dentais sobre eles permitindo a reabilitação estética e funcional (mastigação), além de devolver a auto-estima e qualidade de vida ao desdentado.
  “Atualmente, o titânio passou a ser o metal de eleição de todos os tipos e marcas de implantes, no mundo inteiro por se tratar de um metal biocompatível e bioinerte, ou seja, que pode ser utilizado em contato com os tecidos orgânicos sem sofrer corrosão e não apresentar fenômeno de rejeição imunológica. Pacientes que perderam todos os dentes, com implantação mínima de dois a quatro implantes, podem ter dentaduras retidas através de implantes (sobredentaduras)”, falou Edmar Cassaro.
  O cirurgião disse que a taxa de sucesso atualmente para implantes dentais é superior a 95%, o que torna a técnica muito segura e previsível. Eventuais perdas de implantes podem estar, no entanto, associada a infecções, sobrecarga prematura dos implantes, má higiene local, ou casos que o paciente não apresente um quadro de saúde sistêmica favorável (diabetes não controlada) ou hábitos nocivos (fumantes).
  Para Cassaro com a evolução tecnológica e cientifica da Implantodontia e de exames moderno de imagem, como a tomografia computadorizada, melhorou o planejamento e previsibilidade dos tratamentos com implantes dentais. “Hoje temos implantes com vários desenhos topográficos, vários tipos de superfícies tratadas, tudo isso pra diminuir o tempo de tratamento e diminuir o numero de implantes necessários pra se fazer a reabilitação protética”, comentou.
  “Alem da técnica tradicional, onde faz o tratamento em duas etapas (cirúrgica, que e a colocação do implante no osso e, posteriormente a protética – colocação dos dentes -  após três meses na mandíbula e seis meses na maxila), podemos hoje fazer reabilitações com cargas imediatas que na mesma sessão já se coloca o implante dental e um prótese sobre esse implante, quando um único dente, ou em 72 horas, quando é reabilitação de toda a boca. Sendo totalmente seguro, confiável e previsível, desde que respeitada as indicações”, explicou.
  Edmar acrescentou que as contra-indicações podem ser divididas em locais ou gerais. As locais estão relacionadas à boca e a região a ser implantada e as gerais dizem respeito ao todo do paciente com vistas à cirurgia. Quanto às locais, as mais importantes são: falta de osso na região a ser colocado o implante, proximidade de estrutura anatômica (nervo, cavidades dos ossos da face), alterações ósseas (osteoporose, por exemplo) e outras específicas que devem ser objeto de análise pelo implantodontista.
  “Quanto às gerais, que inviabilizam o tratamento até o restabelecimento da saúde e liberação do medico responsável, podemos citar: doenças cardíacas, sangüíneas, renais, reumatóides, pacientes que estão sendo submetidos a tratamento com câncer. Merecem análise: osteoporose, diabetes, alcoolismo, tabagismo acentuado e desequilíbrios psicológicos. Existem também contra-indicações ditas temporárias, que inviabilizam as implantações por um determinado tempo. As mais comuns são infecções sistêmicas nas vias aéreas superiores, gravidez, debilidades passageiras e pacientes com pobre higiene oral, que precisam antes de submeter-se a implantes, ser orientados e motivados”, completou.
  “Importante ser dito e compreendido, para que ninguém imagine como solução para problemas com seus dentes naturais, aguardar o momento de sua queda para colocação de implante. O dente natural é e sempre será melhor que qualquer solução proporcionada pela Odontologia. O dente idealmente deve, ou deveria sempre ser bem cuidado e nunca ser perdido. A Odontologia evoluiu de tal forma que hoje não existem problemas sem solução para os dentes naturais perdidos. E a Implantodontia veio a completar este quadro de eficiência da Odontologia, porque agora até a perda dos dentes tem solução”, finalizou.

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE