PUBLICIDADE
Política

Querem tumultuar nosso grupo, diz Puccinelli em Dourados

| ANDRé BENTO ESPECIAL PARA O CAARAPONEWS


Em visita à Dourados, na manhã desta quinta-feira, André Puccinelli reafirmou sua disposição em apoiar Murilo Zauith para o Senado. De acordo com o governador, especulações sobre possível desentendimento com seu vice não passam de interpretações errôneas da imprensa.



“Meu candidato preferencial continua sendo o Murilo”. “Este imbróglio é de quem quer tumultuar nosso grupo”, afirmou André, para por fim as especulações que surgiram quando teria dito, em Três Lagoas, que Delcídio do Amaral (PT) seria nome certo para ocupar uma das vagas no Senado. Na ocasião, o governador teria demonstrado não crer no êxito eleitoral de seu vice.



Especulações

Desde sua chegada ao Ginásio Municipal de Esportes Ulisses Guimarães, onde assinou ordens de serviço para o município de Dourados, Puccinelli desmentiu as especulações e acusou parte da imprensa do Estado de desvirtuar o que diz. “Não fiz referência ao candidato do lado de lá, isso é fruto de interpretações errôneas da imprensa”.



Questionado sobre sua preferência para ocupar a segunda vaga na chapa para o Senado, André foi enfático. “Quero o Murilo, prefiro o Murilo, só se ele não quiser”, afirmou. Sem poupar elogios ao vice, o governador ponderou que, “tem perfil de Casa Civil, Secretaria de Planejamento”. “Sendo ou não candidato ele terá papel no nosso projeto”.



Segundo o governador, Zauith tem seu apoio irrestrito, assim como o deputado federal e também candidato ao Senado Waldemir Moka (PMDB). “Em todos os lugares que fui disse que temos dois candidatos ao nosso lado para senador”. “Quem é seguidor do André, está com Murilo e Moka, Moka e Murilo, disse várias vezes o chefe do executivo estadual.



Edil Albuquerque

Quanto ao vice-prefeito de Campo Grande Edil Albuquerque, que anunciou rompimento com o governador esta semana, Puccinelli informou já ter resolvido o problema. “Conversei com ele e lhe disse que estava se precipitando porque não tinha conversado comigo”. André informou ainda que Edil desmentiu o rompimento.



José Serra

André Puccinelli já declarou apoio ao ex-governador de São Paulo e candidato a Presidência da República José Serra (PSDB). Mesmo com a definição de seu correligionário Michel Temer (PMDB) como vice da petista Dilma Rousseff, o governador de MS deixou claro seu posicionamento nestas eleições.



A vinda do tucano ao Mato Grosso do Sul será uma espécie de marco para as definições estaduais. A senadora Marisa Serrano (PSDB) é cotada para vice na chapa de Serra. Líder democrata no Estado, Murilo também só deve se posicionar após a visita do aliado peessedebista.



Definições

As definições sobre o futuro político de Murilo Zauith só devem ser tomadas após a visita do presidenciável. Zauith se recusou a falar sobre sua candidatura, mas negou o rompimento do Bloco Democrático Reformista (BDR) com o PMDB estadual. “Não tem nada disso”, afirmou. “Estou trabalhando na vinda do Serra e só depois falo disso”, explicou, quanto às suas definições para esta campanha.



Puccinelli também informou que pretende conversar com Murilo para esclarecer maus entendidos, porém, prevê uma reunião com seu vice só depois do encontro com José Serra. “Quero estar com Murilo e com o Edil, na presença da imprensa para acabar com as especulações”, pontuou.



Evento

Segundo o governador, o evento tinha realização prevista para o período da tarde, contudo, em decorrência da vinda de José Serra à Capital, seu horário foi alterado para a manhã desta quinta-feira.



Na ocasião, Puccinelli e Zauith não conversaram, embora o governador tenha se referido diversas vezes ao vice em seu discurso. Murilo permaneceu a maior parte do tempo sem contato com o governador, salvo poucas situações, como no final da solenidade, ao deixarem o palanque.



O discurso do governador, que durou no máximo dez minutos, serviu como vitrine para demonstrar seus feitos na administração do Estado no que define por “espírito de municipalização”. “Vale o eu do Estado, o nosso do Estado, não vale o eu do individualismo”, disse.



Alfinetadas

Críticas a administração anterior - com a qual disse pretender comparar gestões nesta campanha - não faltaram. “Aqui é 100% do Estado, porque não se passa a mão, porque se fiscaliza”, alfinetou. Disse também trabalhar com o “objetivo de coibir sonegações fiscais para não voltar ao passado”.



Em tom ríspido, André Puccinelli criticou a Fundação Nacional do Índio (Funai), quando pediu ao deputado federal Geraldo Resende que esclareça junto à Câmara dos Deputados a atuação do governo estadual junto às comunidades indígenas. “Quem cuida dos indígenas é o Governo do Estado e não esta porcaria da Funai”, afirmou.



Negociações

Puccinelli disse que pretende se reunir com Murilo depois do encontro com o candidato peessedebista a presidência. Mesmo assim, o governador e o vice viajaram juntos, na companhia de políticos da região.
 


PUBLICIDADE
PUBLICIDADE