PUBLICIDADE
Geral

Polícia apreende objetos durante vistoria em sítio do goleiro Bruno

| FOLHA ONLINE


A Polícia Civil de Minas realizou na noite de ontem (28) buscas no sítio do goleiro Bruno Fernandes, do Flamengo, localizado em Esmeraldas, na região metropolitana de Belo Horizonte. Na ocasião, foram apreendidos uma fralda infantil, roupas femininas e passagens aéreas.
 

De acordo com a polícia, o jogador é suspeito do desaparecimento da ex-namorada, a estudante Eliza Silva Samudio. Ela não é vista há quase um mês, desde que contou a amigas que viajaria para Minas Gerais a pedido do atleta. Ela tentava provar na Justiça que Bruno é pai de seu filho, de quatro meses.

 

"Temos informações de que o Bruno veio a BH com Eliza e a criança. Ele é o principal suspeito do sumiço dela. Infelizmente, tudo indica que ela esteja morta, pois mãe não abandona filho de quatro meses. Já estamos em busca do corpo", disse ontem o investigador da Delegacia de Homicídios de Contagem Marco Antônio Fonseca.
 

As buscas no sítio do goleiro duraram cerca de seis horas. A polícia investiga uma denúncia anônima que informou que Bruno e mais dois amigos espancaram Eliza até a morte e ocultaram o corpo. Até a manhã desta terça ainda não havia informações se as buscas seriam retomadas.
 

O advogado do goleiro Bruno Fernandes e diretor jurídico do Flamengo, Michel Assef Filho, se encontrou com o jogador ontem e afirmou que 'Bruno está rezando para Eliza aparecer e está à disposição da polícia'.
 

Guarda
 

Na noite da última sexta (25), a polícia localizou o suposto filho do atleta com Eliza em uma casa em Contagem. Segundo a polícia, o bebê --de quatro meses-- estava com familiares no sítio de Bruno, mas, na semana passada, foi levado à casa de uma amiga de Dayane Souza, mulher do goleiro.
 

Na noite de domingo (27), a Justiça de Minas concedeu autorização para que Luís Carlos Samudio, 43, avô materno, fique provisoriamente com a criança em Foz do Iguaçu (PR), onde mora.
 

De acordo com advogado da família da jovem, Jader Marques, o processo de reconhecimento da paternidade estava 'avançado' e não havia outro motivo para que Eliza estivesse em Minas não fosse o de tratar do caso.
 

Eliza, que em outubro de 2009 registrou queixa acusando Bruno de ameaça e agressão, está sumida desde que contou a amigas que iria do Rio a MG a convite do jogador. A Polícia Civil de Contagem trabalha com a hipótese de a jovem ter sido morta no sítio de Bruno, em Esmeraldas, na Grande BH.


PUBLICIDADE
PUBLICIDADE