PUBLICIDADE
Caarapó

Terrenos estão supervalorizados em Caarapó

A expansão do setor imobiliário em Caarapó fez os preços dos terrenos dispararem

| CAARAPONEWS


Por André Nezzi

A expansão do setor imobiliário em Caarapó fez os preços dos terrenos dispararem. O valor médio do metro quadrado, subiu de R$ 200 para até R$ 500 na região central, ou seja, aumento de 150%. Esta distorção é fruto do aumento da demanda por imóveis, impulsionada pelo alongamento dos prazos de financiamentos e pela redução das taxas de juros. “Levando em consideração a tabela CUB, (Custos Unitários Básicos de Construção), notamos que esses valores estão um pouco acima da média”, avalia a corretora de imóveis Rute Bortoloti.
 

  Com o significativo aumento pela procura, os proprietários de terrenos viram a demanda por espaços ociosos crescer. “O que há é uma ganância muito grande e um completo desconhecimento do mercado por parte dessas pessoas. Houve uma elevação desordenada. As pessoas estão fora da realidade”, afirma outro corretor José Roberto Cardoso.
    “Na Vila Planalto, um terreno que custava R$ 7 mil, hoje é vendido por mais de R$ 20 mil. Da mesma forma estão às áreas na região do Jardim Aprazível. No local, que continua sem nenhuma infraestrutura, não se encontra terreno por menos de R$ 35 mil. No bairro Santo Antônio - um dos mais pobres e afastado da área central - o valor do terreno gira em torno de R$ 10mil”, diz Cardoso.
    De acordo com ele, as pessoas estão pedindo valores exorbitantes por terrenos que não valem o que está sendo cobrado. “Tem terreno de 20 mil para vender que o proprietário está pedindo R$ 70 mil e assim por diante”, diz.
    Já o comerciante João Carlos da Silva, diz que Caarapó vive uma hiper valorização nos preços dos terrenos que não condiz com a realidade. "Tem poucas pessoas com muitos terrenos na cidade. E como não precisam vender, fazem especulações e jogam o preço nas alturas. Isso prejudica as pessoas que ainda não tem uma casa própria e deseja construir. Até mesmo em bairros sem nenhuma infraestrutura os valores são altos. O cliente gasta muito dinheiro para comprar o terreno, fica descapitalizado e acaba não conseguindo fazer uma boa construção", declarou
    A aposentada Maria Aparecida, que deseja construir sua casa própria e fugir do aluguel, relata que devido aos valores exorbitantes dos terrenos em Caarapó, dificilmente conseguirá realizar seu sonho. “Com os preços que estão os terrenos e imóveis por aqui, se quiser comprar minha casa terei que me mudar da cidade”, disse em tom de brincadeira.
    O arquiteto Wagner Batista tem opinião diferente dos demais. Ele explica que quase 70% dos projetos executados por ele são do programa "Minha Casa Minha Vida" do Governo Federal. Batista diz que hoje a população caarapoense tem uma renda melhor do que tinha há alguns anos atrás e por isso, tem mais condições para adquirir o seu terreno e construir. “O setor vive um novo momento. A demanda por terrenos, aumentou consideravelmente. Como a procura anda maior que a oferta a tendência é que haja mesmo uma valorização. Isso acabou compensando os anos de estagnação.", ressalta Batista que diz ainda “isso tem ocorrido não só em Caarapó, mas em vários outros municípios da região como Naviraí, Rio Brilhante, Dourados e outros. A única região onde não está havendo essa supervalorização é a do Vale do Ivinhema onde fica as chamadas cidades do ‘corredor da fome’: Fátima do Sul, Ivinhema,Vicentina, Deodápolis”, afirma.
      A construção civil está em alta em Caarapó. Segundo o Setor de Cadastro da prefeitura, em 2007 foram aprovados 157 alvarás, já em 2009 o número foi de 297, o que representa um aumento de 189%. Em 2007 foram registrados 22 habite-se (imóveis concluídos) e em 2009 um total de 143, o que resultou num aumento de 650%.    

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE