PUBLICIDADE
Política

Puccinelli e Zeca do PT registram candidaturas e já trocam farpas

| MIDIAMAX


 

Celso Bejarano e Liziane Berrocal

 

Liziane Berrocal
 


O governador André Puccinelli, do PMDB, e o ex-governador José Orcírio dos Santos, o Zeca do PT, candidatos ao governo, deram uma ideia do que vem pela frente a partir de amanhã, data de início da campanha eleitoral. Puccinelli disse que “daqui uns” dias vai provar que Zeca “comprou” dois partidos para inflar a coligação. Já o candidato petista disse que eleição não é “guerra”, é “democracia” e que o adversário dele é um “destemperado”.
 

   

Puccinelli e Zeca do PT registraram suas candidaturas no fim da tarde desta segunda-feira. A campanha do peemedebista, segundo declarado no TRE, deve custar R$ 20 milhões, R$ 4 milhões a mais do que o projetado pela coordenação de campanha do PT. Anteriormente, Puccinelli declarou que gastaria entre R$ 30 e R$ 40 milhões de reais na campanha.
 

   

Os dois concorrentes ao governo já se enfrentaram nas urnas em 1996, quando Puccinelli se elegeu prefeito de Campo Grande. Dois anos depois, Zeca do PT conquistou o governo do Estado.
 

   

Puccinelli e Zeca são as duas maiores expressões políticas da atualidade aqui no Estado. O governador escolheu a ex-prefeita de Três Lagoas, a também peemedebista Simone Tebet, como sua vice.
 

Já o petista, atraiu outra liderança feminina para compor como vice, a advogada e professora universitária Tatiana Ujacow, do PV, de Dourados.
 

Os dois candidatos prometeram adotar uma mesma estratégia durante a campanha: recorrer a comparativos de feitos de um governo com outro. Tanto Zeca quanto Puccinelli declararam que não vão fugir do debate, mas trocaram acusações entre si. "A resposta será nas urnas" foi a frase padrão de ambos.
 

O governador Puccinelli disse que vai apoiar o candidato do PSDB à Presidência, José Serra. E Zeca do PT, a candidata Dilma Roussef, do PT e a presidenciável Marina Silva do PV.
 

A partir desta terça-feira já é possível os candidatos promoverem comícios pelo Estado e oficialmente fazerem campanha.


PUBLICIDADE
PUBLICIDADE