PUBLICIDADE
Geral

Magoado com Scolari, presidente da CBF quer sinal do técnico

| FOLHA ONLINE


Com a CBF sem opção no mercado, Luiz Felipe Scolari é o favorito para suceder Dunga. Mas o técnico contrariou o presidente Ricardo Teixeira nos últimos dias.
 

Na África, Teixeira reclamou com conselheiros do Palmeiras da precipitação do treinador em assinar contrato por dois anos com o clube.
 

O dirigente da CBF já avisou que quer exclusividade do técnico campeão mundial em 2002 a partir de agosto.
 

Fora o acordo com o Palmeiras, o dirigente mostrou certa mágoa com o treinador. Ele contou que foi esnobado duas vezes por Scolari e adiantou que não quer ouvir outro não do técnico.
 

Por isso, Teixeira só vai formalizar a proposta se ouvir declarações públicas de Scolari, nas quais ele diga querer trabalhar na seleção. Até agora, isso não ocorreu.
 

O presidente da CBF ainda não digeriu as duas recusas de Scolari. A primeira foi depois de a seleção conquistar a Copa de 2002, quando a confederação quis renovar o seu contrato, mas o treinador preferiu comandar Portugal.
 

A outra resposta negativa do técnico que desagradou a Teixeira foi dada depois da eliminação do Brasil no Mundial de 2006. Por telefone, Teixeira o convidou para suceder Carlos Alberto Parreira. Scolari disse não.
 

Posteriormente, Dunga, sem experiência alguma na prancheta, foi escolhido.
 

Além das recusas prévias e do acordo com o Palmeiras, o salário de Scolari também o afasta da seleção nacional.
 

Teixeira já descartou a possibilidade de empatar o salário pago pelo Palmeiras (cerca de R$ 700 mil mensais). Dunga recebia aproximadamente R$ 350 mil/mês.

O dirigente quer acertar até o final do mês a contratação do novo técnico porque, em agosto, a seleção já vai ter um amistoso contra os EUA, em Nova Jersey.


PUBLICIDADE
PUBLICIDADE