PUBLICIDADE
Caarapó

Polícia Civil desmonta esquema que levava droga para SP

Polícia Civil de Amambai desmontou um esquema articulado para levar maconha da região de Ypejhú no Paraguai para o estado de São Paulo. Caarapoenses estavam envolvidos.

| A GAZETA


 

Através de trabalho de investigação a Polícia Civil de Amambai desmontou um esquema articulado para levar maconha da região de Ypejhú no Paraguai para o estado de São Paulo. Duas pessoas acusadas de envolvimento na trama já estão presas e outras duas estão com a prisão preventiva decretada pela Justiça.

O esquema começou a ser desmontado no início do mês quando a Polícia Militar Rodoviária Estadual (PRE) da base operacional de Amambai apreendeu um veículo Fiat Pálio de cor prata, placas CKX 3023 de Campinas-SP.

A apreensão aconteceu quando os policiais realizavam barreira de rotina na rodovia MS 156, trecho que liga Amambai a Caarapó e abordaram o carro, que se deslocava no sentido Caarapó a Amambai e em vistoria no veículo encontraram compartimentos secretos, normalmente utilizados para esconder drogas e armas, vulgarmente conhecidos como “mocós” sob os pára-choques dianteiro e traseiro do veículo, inclusive em um deles ainda havia alguns pequenos tabletes de maconha o que indicaria, segundo a polícia, que o veículo já teria levado drogas e estaria retornando para a região de fronteira para buscar um novo carregamento.

O carro e o motorista, Paulo Ramão Amarilha de 35 anos, residente em Caarapó, foram conduzidos para a Delegacia de Polícia Civil de Amambai onde Amarilha acabou autuado em flagrante por tráfico de drogas e associação para o tráfico.

As investigações- Com a apreensão do veículo e a prisão de Paulo Amarilha, a Polícia Civil de Amambai passou a desencadear uma série de investigações e descobriu que o veículo Pálio havia sido apreendido dias atrás pela Polícia Militar em Caarapó quando estava em poder de um rapaz de 24 anos, residente naquela cidade por dirigir com os faróis apagados durante a noite e em alta velocidade em perímetro urbano.

Segundo a polícia o carro, que já estava com os mocós montados quando foi apreendido, foi encaminhado para o pátio do Detran local e havia sido liberado no dia em que acabou apreendido novamente pela PRE na rodovia MS 156.

Carro era de paraguaio- A polícia continuou trabalhando no caso e descobriu que o veículo pertenceria um cidadão de nacionalidade paraguaia de nome “Ricardo Gabriel Balcaza Acosta” de 31 anos, que seria residente na cidade paraguaia de Ypejhú, que faz divisa com Paranhos no lado brasileiro da fronteira.

De posse das informações, o delegado encarregado pelas investigações do caso em Amambai, Dr. Claudineis Galinari representou pela prisão preventiva de Ricardo Acosta, o rapaz que chegou a ser retido com o veículo em Caarapó, que segundo a polícia, seria o responsável por levar o veículo com a droga para São Paulo e de uma mulher residente na região de fronteira com o Paraguai que também estaria envolvida com o grupo.

A prisão de Acosta- Já de posse dos mandados de prisão expedido pela Justiça de Amambai, Comarca de onde as investigações estavam sendo conduzidas, a Polícia Civil local solicitou apoio da Polícia Civil de Paranhos para tentar prender os acusados.

Uma equipe de investigadores comandada pelo delegado Dr. Fábio Peró passou a efetuar diligências e acabou prendendo Ricardo Acosta em uma estrada vicinal quando Acosta se deslocava de Sete Quedas para Paranhos em companhia de terceiros.

Conduzido para a Delegacia de Polícia Civil de Amambai Acosta foi indiciado em inquérito por tráfico de drogas e associação para o tráfico. Ele, juntamente com o outro membro do grupo preso anteriormente, Paulo Ramão Amarilha, está preso do EPAm (Estabelecimento Penal de Amambai) à disposição da Justiça.

A polícia trabalha agora para tentar localizar os outros membros do grupo que também estão com a prisão preventiva decretada, mas não tiveram os nomes revelados para não atrapalhar as investigações.

 


PUBLICIDADE
PUBLICIDADE