PUBLICIDADE
Caarapó

Caarapoenses fazem fila para tomarem vacina

Caarapoenses fazem fila nos Postos de Saúde da cidade para tomarem vacina contra a Febre amarela.

| CAARAPONEWS


 

As notícias nacionais de suspeita de casos de febre amarela, inclusive em Bonito, resultaram na correria em busca da vacina, e em Caarapó os postos de saúde, também, estão recebendo várias pessoas que querem se imunizar contra a doença. Porém, responsáveis pela saúde do município ressaltam que não há motivos para preocupação, mas lembram que a prevenção é sempre bem vinda.

Segundo a enfermeira chefe da Unidade de Saúde da Família que fica localizada na vila Planalto em Caarapó, Janete Fritz, a procura pela vacinação contra a febre amarela triplicou nos últimos dias. Janete lembra que a prioridade para vacinação é para as pessoas que vão viajar e que a vacina deve ser tomada 10 dia antes da viagem. “Sempre é bom prevenir, porém a prioridade em tomar a vacina é para quem vai viajar para Estados de risco”.

A enfermeira ainda recomendou aos moradores do município e região que verifiquem a carteirinha de vacinação, pois a validade da vacina é de 10 anos e muitas pessoas que estão procurando os postos estão imunizadas. “Verificar a carteirinha é a primeira coisa a ser feita. Muita gente fica na fila e não precisa tomar vacina”, lembrou Janete, que orienta os populares a procurar o posto mais próximo da sua residência para não gerar fila nos demais.

Ainda segundo a enfermeira, apesar da grande procura, não há risco de acabar o estoque de vacina para Caarapó.

Janete ainda enfatizou que o município não é uma região de risco, mas é sempre bom, as pessoas tomarem as vacinas para ficarem tranqüilos e para as pessoas que forem viajar não tomar só a vacina de febre amarela, mas também a de rubéola principalmente para quem for para o Rio de Janeiro, São Paulo e Rio Grande do Sul.

 

Febre amarela

Febre amarela é uma doença infecciosa causada por um tipo de vírus chamado flavivírus, cujo reservatório natural são os primatas não-humanos que habitam as florestas tropicais. Existem dois tipos de febre amarela: a silvestre, transmitida pela picada do mosquito Haemagogus, e a urbana transmitida pela picada do Aedes aegypti, o mesmo que transmite a dengue. A febre amarela não é transmitida de uma pessoa para a outra. A transmissão do vírus ocorre quando o mosquito pica uma pessoa ou primata (macaco) infectados, normalmente em regiões de floresta e cerrado, e depois pica uma pessoa saudável que não tenha tomado a vacina. A forma urbana já foi erradicada. O último caso de que se tem notícia ocorreu em 1942, no Acre, mas pode acontecer novo surto se a pessoa infectada pela forma silvestre da doença retornar para áreas de cidades onde exista o mosquito da dengue.

SintomasOs principais sintomas da febre amarela - febre alta, mal-estar, dor de cabeça, dor muscular muito forte, cansaço, calafrios, vômito e diarréia aparecem, em geral, de três a seis dias após a picada (período de incubação). Aproximadamente metade dos casos da doença evolui bem. Os outros 15% podem apresentar, além dos já citados, sintomas graves como icterícia, hemorragias, comprometimento dos rins (anúria), fígado (hepatite e coma hepático), pulmão e problemas cardíacos que podem levar à morte. Uma vez recuperado, o paciente não apresenta seqüelas.

Contra indicações da vacina

Em geral não existem maiores contra-indicações na aplicação da vacina da febre amarela, mas algumas orientações especificas devem ser observadas para evitar problemas com sua aplicação.

Os transplantados que fazem uso de medicamentos imunossupressores e os portadores de HIV/AIDS devem OBRIGATORIAMENTE consultar o médico para saber se podem receber a vacina da febre amarela.

Já os portadores de hepatite B ou C devem aplicar a vacina imediatamente, pois por possuírem um fígado danificado a febre amarela pode ser muito perigosa para esses indivíduos, mas lembrando que cada caso e diferente no dano existente no fígado sendo aconselhável consultarem o médico, pois o mesmo conhece as particularidades do quadro clinico completo do paciente.

Contra-indicações gerais

1) Crianças menores de 6 meses de idade são susceptíveis a eventos adversos graves (encefalite);

2) Portadores de imunodeficiência congênita ou adquirida ou neoplasia maligna, como na leucemia ou linfomas. No caso de HIV/AIDS deverá existir indicação médica especifica para sua aplicação.

3) Pacientes sob tratamentos com imunossupressores (corticóides, quimioterapia antineoplásica, radioterapia, transplantados, etc.);

4) Em mulheres grávidas como regra geral nenhuma vacina viral atenuada deve ser administrada na gravidez. Caso não haja possibilidade de adiar o deslocamento para áreas endêmicas, e considerando-se o alto risco de exposição, recomenda-se neste caso a vacinação;

5) Pessoas com história de reação anafilática (alérgicas) após ingestão de ovo.

 Conhecendo a febre amarela e a vacina

Causada por um vírus do gênero Flavivírus, a doença tem como sintomas febre alta, dor de cabeça e lombar, náuseas, vômito, prostração e calafrios.

No Brasil, utiliza-se a vacina produzida na Fundação Oswaldo Cruz - Bio Manguinhos, que contém, além da linhagem vacinal atenuada, sacarose e glutamato como estabilizadores. A vacina contra a febre amarela é constituída de vírus vivos atenuados, derivados da linhagem 17D, cultivados em ovos embrionados de galinha.A vacina contra a febre amarela é administrada pela via subcutânea e a manifestação mais freqüentemente referida é a dor no local de aplicação, de curta duração e auto-limitada. A ocorrência de abscessos está muitas vezes relacionada com infecção secundária ou com erros na técnica de manuseio ou aplicação da vacina.A vacina confere imunidade em cerca de 95% dos vacinados sendo bem tolerada e raramente associada com eventos adversos graves. O início da proteção é a partir do 10º dia. O Regulamento Sanitário Internacional preconiza a revacinação a cada dez anos. A vacinação contra febre amarela é muito importante para os viajantes. Quem for passar por áreas de risco precisa ir a um posto de saúde antes de arrumar as malas


PUBLICIDADE
PUBLICIDADE