PUBLICIDADE

Mãe descobriu morte quando polícia chegou com bicicleta de filho de 10 anos em jardim

João Vitor se afogou no rio na tarde de ontem, após matar aula com o primo e o irmão mais velho de 13 anos

| POR BRUNA MARQUES/CAMPO GRANDE NEWS


Bombeiros no local onde criança desapareceu. (Foto: Jardim MS News)

Achando que o filho João Vitor, 10 anos, estava na escola, Timotéia Rios, 66, só soube que o menino morreu afogado no Rio Miranda, quando policiais militares chegaram em sua casa, carregando a bicicleta da criança. A notícia chegou por volta das 14h, nesta segunda-feira (26), na casa simples de Jardim.

João Vitor se afogou no rio na tarde de ontem, após matar aula com o primo e o irmão mais velho de 13 anos. As buscas duraram até o anoitecer da segunda-feira, mas foram retomadas na manhã de hoje. Por volta das 5h30 o corpo da criança foi encontrado pelo Corpo de Bombeiros.

O Campo Grande News conversou com Timotéia pelo telefone, muito abalada, a idosa mãe de dois filhos, lamentou a perda precoce do caçula. Segundo ela, a noticia do afogamento foi uma “surpresa”. “Quando os policias me avisaram ele se afogou eu não acreditei, achei que estava no colégio. Ele nunca foi de fazer isso, de jeito nenhum, não esperava por isso. Era um menino obediente, querido, estudioso. Foi criando na igreja, somos evangélicos, conhecia a palavra de Deus”, lamentou com voz de choro.

Timotéia relatou que ontem, por volta das 12h40, os filhos e o primo saíram de casa na Vila Carolina, para irem até a escola que fica na região central de Jardim. De acordo com ela, todos os dias os três iam juntos para a aula. “O rio é longe do colégio, não sei como foram parar lá”, questionou.

Sem acreditar que o filho morreu afogado por ter matado aula, Timotéia tentar achar os responsáveis pela fatalidade. “Me admira o colégio não avisaram quando o aluno não vai na aula. Se tivessem me avisado que ele não tinha ido na escola eu teria tomado providência”, disse.

Outra solução que Timotéia sugere é que no local onde as pessoas tem acesso ao rio, seja colocado fiscalização, assim, crianças não vão poder entrar sozinhas na água. “Podia ter um guarda na beira do rio pra não deixar as crianças entrarem lá. Se aconteceu com meu filho pode acontecer com outros. Pelo amor de deus, tomem providências”, implora

O corpo de João Vitor será liberado pelo IML (Instituto Médico Legal) a partir das 13h30 de hoje. Agora, a família está resolvendo os trâmites para o velório e sepultamento, que deverá acontecer amanhã.

Desaparecimento - De acordo com o portal Jardim MS News, o primo da criança, um adolescente de 15 anos foi quem acionou o Corpo de Bombeiros por volta das 14h. Aos militares ele contou que estava com o primo que entrou no rio e acabou afundando.

Por estar muito nervoso, ele não soube detalhar o que teria acontecido.

Os bombeiros foram ao local e deram início às buscas com o mergulhador. O chinelo da vítima ficou na margem do local e o adolescente foi levado pela Polícia Militar para avisar a família. Por conta das chuvas, o rio está bastante cheio e com a água turva. 


PUBLICIDADE
PUBLICIDADE