PUBLICIDADE

Barbosinha informa a Riedel que será pré-candidato a prefeito de Dourados

No entanto, ressaltou o vice-governador, chegou o momento de ele falar que o seu nome está à disposição para participar do processo eleitoral municipal

| DANIEL PEDRA/CORREIO DO ESTADO


Vice-governador, José Carlos Barbosa deve trocar de partido para disputar a prefeitura de Dourados - Arquivo

Após muita especulação, finalmente o vice-governador José Carlos Barbosa (PP), mais conhecido como Barbosinha, confirmou que será pré-candidato a prefeito de Dourados nas eleições municipais deste ano. Ele, inclusive, já informou sobre sua pretensão ao governador Eduardo Riedel (PSDB).

Em entrevista ao programa “A Hora da Verdade”, da Rádio Grande FM, Barbosinha explicou que não tinha confirmado antes a sua pré-candidatura porque, como vice-governador, não poderia deixar questões políticas locais sobreporem 
o desenvolvimento de Dourados e os vínculos do município com o governo do Estado.

“Eu entendia que, me posicionando politicamente de forma antecipada, poderia colocar o assunto político acima do desenvolvimento de Dourados. Por essa razão e, sob nenhum aspecto de eventual discordância política local, para não prejudicar o relacionamento do município de Dourados com o governo do Estado, eu não falava da minha intenção de sair candidato”, declarou.

No entanto, ressaltou o vice-governador, chegou o momento de ele falar que o seu nome está à disposição para participar do processo eleitoral municipal.

“Porém, agora, a população de Dourados terá de se manifestar sobre isso, porque eu não posso ser candidato de mim mesmo. Eu não posso postular essa condição só por minha vontade, é preciso que a população seja consultada”, argumentou.

Barbosinha ressaltou que na eleição passada, quando disputou o cargo de prefeito, ele era considerado “o velho” e o atual prefeito Alan Guedes (PP), “‘o novo’, o douradense de nascimento, e criou-se essa grande expectativa em torno dele”.

“Penso que quem se dispõe a ocupar um cargo no Executivo precisa ter um histórico de vida, um legado de prefeito aos 23 anos, de advogado, de professor universitário, de cidadão sul-mato-grossense de coração, mas goiano de nascimento, e que escolheu Dourados para poder viver”, pontuou Barbosinha, referindo-se ao seu próprio currículo.

O vice-governador complementou também sua experiência como presidente da Sanesul, quando teria pegado a estatal quebrada e a transformado em uma das maiores companhias de saneamento do Brasil, bem como a modernização da Secretaria de Estado de Justiça e Segurança Pública (Sejusp) sob a sua gestão, além dos dois mandatos como deputado estadual que teve.

“Coloquei tudo isso à disposição de Dourados na eleição passada, mas o eleitor optou por outro caminho, e com o respeito que tenho ao eleitor, quando proclamaram o resultado, eu parabenizei o prefeito eleito, desejei que Deus o abençoasse e cuidasse do seu mandato, além de agradecer aos votos que recebi. Penso que é assim que todo político tem de se comportar. Agora, mais uma vez estou colocando o meu nome à disposição, para que o eleitor de Dourados diga se deseja me manter como vice-governador lá em Campo Grande, ao lado do governador Riedel, ou se quer essa experiência na administração da cidade”, reforçou.
Barbosinha também fez questão de dizer que não é candidato por vingança ao resultado da última eleição.

“Minha candidatura é porque acredito que a população deseja mudança, e quero apresentar projetos qualificados para poder promover essas mudanças que Dourados precisa. Há muito tempo o município precisa de um choque de gestão”, garantiu.

O vice-governador revelou que conversou com Eduardo Riedel, o qual teria respeitado a decisão de Barbosinha de colocar seu nome para a disputa à prefeitura de Dourados.

“Agora, eu sei que isso depende da resposta que a população vai dar nas pesquisas e nos indicadores eleitorais, porque a população pode entender que o Barbosinha tem de continuar em Campo Grande como vice-governador ou que o Barbosinha tem de disputar as eleições para que possa, na eventualidade, colocar toda essa experiência a serviço do município”, assegurou.

NOVO PARTIDO
Ele também comentou sobre o fato de o atual prefeito ser do mesmo partido e já ter recebido o aval das lideranças da legenda para tentar a reeleição.

“Tenho a satisfação de ter recebido dos mais diferentes partidos, da direita, da esquerda e do centro, o convite para me filiar e sair candidato nas eleições deste ano. Acredito que até meados do dia 10 de março terei a resposta objetiva sobre qual partido terei me filiado, para me colocar à disposição para ser ou não candidato a prefeito ou, pelo menos, para ajudar os meus companheiros a serem eleitos vereadores ou vereadoras”, revelou.
Na visão de Barbosinha, a saída do PP não deve afetar a relação dele com a principal liderança do partido, a senadora Tereza Cristina.

“Não tenho nenhum problema com a minha senadora Tereza Cristina, uma amiga querida, ou com o deputado federal Dr. Luiz Ovando, além de outros queridos amigos no PP, mas nós temos uma incompatibilidade, que não é pessoal, acho importante destacar isso, pois respeito todos do partido, mas tenho de seguir um outro rumo”, frisou.

O vice-governador reforçou que, se fosse para ficar na zona de conforto, poderia continuar no cargo atual.

“Eu estou muito bem como vice-governador ao lado do Riedel, com perspectivas futuras. Eu poderia muito bem me ausentar completamente do debate em Dourados, porque estou bem na condição de vice-governador, mas a cidadania me exige e as pessoas têm me cobrado isso”, alegou.

Outra questão abordada por ele foi o fato de o PSDB estar pensando em lançar o nome do ex-deputado estadual Marçal Souza como pré-candidato a prefeito de Dourados.

“Eu tenho o maior respeito por todas as lideranças do PSDB, tanto pelo ex-governador Reinaldo Azambuja quanto pelo [ex-secretário da Casa Civil] Sérgio de Paula, que tem vindo a Dourados para organizar esse processo em conjunto com os deputados estaduais Lia Nogueira e Zé Teixeira, bem como com o deputado federal Geraldo Resende. Entretanto, penso que o nosso destino, o nosso futuro, tem de ser definido a partir daqui, de Dourados, e não a partir 
de lá, de Campo Grande”, falou.
Barbosinha, contudo, criticou a subordinação de Dourados à capital do Estado.

“Nós precisamos de um fortalecimento político de Dourados. Nós precisamos ter uma bancada federal maior, e não só com Geraldo Resende e Rodolfo Nogueira [PL], pois já tivemos quatro deputados federais. Nós precisamos pensar na eleição de um senador da República e só vamos ter isso a partir do momento em que Dourados começar a comandar o seu destino. Eu tenho maior respeito por todas essas lideranças, mas não sou subordinado a elas”, garantiu.

O vice-governador acrescentou ainda que todos aqueles douradenses que querem 
o desenvolvimento e o progresso da cidade devem caminhar juntos.

“O que eu não vou fazer é participar de processo que seja discussão de interesse político e pessoal de velhas elites. Eu quero discutir projeto de gestão, projeto de governo. O que essas eventuais candidaturas representam para o desenvolvimento? Vamos discutir isso, não quero ser um candidato omisso. Agora, essa [minha] candidatura precisa representar o sentimento de Dourados e as necessidades do eleitorado, e não questões pessoais”, finalizou.


PUBLICIDADE
PUBLICIDADE