PUBLICIDADE

Com a vitória de Rueda no União Brasil, Rose tem pré-candidatura fortalecida

Rueda já teria afirmado ter derrotado o deputado federal Luciano Bivar, cujo mandato à frente do União Brasil vai até maio, horas antes da eleição

| DANIEL PEDRA/CORREIO DO ESTADO


Mila Rueda, Antônio Rueda e Rose Modesto após fim da eleição - Reprodução

Com a eleição do advogado Antônio Rueda para presidir a executiva nacional do União Brasil, em substituição do então presidente da sigla, deputado federal Luciano Bivar, a pré-candidatura da ex-deputada federal Rose Modesto para a Prefeitura de Campo Grande fica mais fortalecida.

Bivar foi aliado da senadora Soraya Thronicke, que atualmente está no Podemos, na disputa pelo diretório do União Brasil em Mato Grosso do Sul contra Rose Modesto, a qual, no fim, acabou levando a melhor.

A disputa pelo diretório estadual do partido foi mais um dos muitos atritos entre o grupo de Bivar, do qual Soraya fazia parte, contra o grupo de Rueda, que conta com o apoio de Rose, atual titular da Superintendência do Desenvolvimento do Centro-Oeste (Sudeco).

Em termos regionais, com a queda de Bivar e a ascensão de Rueda, Rose Modesto não terá problemas com a executiva nacional para concorrer à Prefeitura de Campo Grande, principalmente no quesito financeiro.

Nas eleições de 2022, quando ela disputou o cargo de governadora pelo União Brasil, Rose teria sofrido um suposto boicote da então presidente estadual do partido no Estado, senadora Soraya Thronicke, na liberação de recursos para sua campanha eleitoral.

À época, o problema foi apontado pela própria candidata como um dos motivos para não conseguir ir para o segundo turno das eleições. Como resultado, a situação causou o rompimento de relações de Rose com Soraya.

Na ocasião, a ex-deputada federal chegou até a comunicar sua desfiliação do União Brasil. Porém, graças a Rueda, ela desistiu da decisão, com a promessa de que assumiria o comando da legenda em Mato Grosso do Sul.

A medida azedou de vez a relação de Rose e Soraya, que protagonizaram em Mato Grosso do Sul a disputa que estava acontecendo em nível nacional, entre Rueda e Bivar.

Na eleição desta quinta-feira, realizada na sede do União Brasil em Brasília (DF), a chefe da Sudeco fez questão de estar presente e, após o anúncio da vitória de Rueda, postou nas suas redes sociais uma foto com o presidente eleito e sua irmã, Maria Emília de Rueda, a Mila Rueda, tesoureira nacional do partido.

"Com muita alegria, parabenizo todos os membros da executiva nacional do União Brasil, em nome do presidente eleito Antônio Rueda, do vice-presidente ACM Neto, da tesoureira Mila Rueda e do secretário-geral da legenda, senador Davi Alcolumbre. Quero expressar minha gratidão em fazer parte, compondo hoje o diretório nacional do União Brasil, pensando sempre em um país e um estado melhor para a gente viver", escreveu na publicação.

Segundo interlocutores próximos a Rose, desde o incidente pelo comando do União Brasil em Mato Grosso do Sul, ela intensificou relacionamentos com Rueda e acabou se afastando de Bivar, que foi quem a convidou para ingressar na legenda.

Agora, com Rueda à frente da executiva nacional da sigla, a ex-deputada federal não tem mais nenhum empecilho para lançar a pré-candidatura como prefeita de Campo Grande, uma vez qu ele defende veementemente candidaturas próprias do partido nas capitais brasileiras.

ENTENDA A DISPUTA
Ao lado de aliados, o advogado Antônio Rueda anunciou ter vencido a disputa pela presidência do União Brasil com o placar de 30 votos a zero. 

A eleição foi realizada em meio a uma crise marcada por dossiês, supostas ameaças e promessas de judicialização.

Rueda já teria afirmado ter derrotado o deputado federal Luciano Bivar, cujo mandato à frente do União Brasil vai até maio, horas antes da eleição. Bivar chegou até mesmo a adiar a realização da convenção, sob o argumento de que o processo "estaria eivado de vícios no edital de convocação". 

A medida, porém, foi derrubada pela maioria da executiva nacional do partido, e a reunião em Brasília ocorreu a portas fechadas. Aliados de Bivar não participaram da votação.

"A convenção foi anulada estatutariamente, e não há chapa vencedora. Vamos judicializar essa questão", disse Bivar logo após o anúncio da vitória de Rueda.

A disputa pelo comando escancarou o racha na legenda, criada há apenas dois anos como fruto da fusão entre DEM e PSL.

Rueda tem o apoio de nomes graúdos da sigla, como o governador de Goiás, Ronaldo Caiado, e o ex-prefeito de Salvador ACM Neto. Bivar, por sua vez, passou os últimos dias articulando uma forma de se manter no posto com lideranças do antigo PSL.

Em nota, o presidente eleito afirmou que as eleições internas "seguiram rigorosamente as diretrizes do estatuto do partido".

Ele sustentou ainda que a nova diretoria "dedicará esforços incansáveis na promoção do livre debate de ideias no âmbito dos Três Poderes".


PUBLICIDADE
PUBLICIDADE