PUBLICIDADE

Já ex-deputado, Rafael Tavares se coloca como pré-candidato à prefeito de Campo Grande

O ex-deputado agora disputa com os também pré-candidatos da direita à Prefeitura de Campo Grande, deputado estadual João

| CORREIO DO ESTADO/ALANIS NETTO E JOÃO GABRIEL VILALBA


Gerson Oliveira/Correio do Estado

De saída da Assembleia Legislativa, o ex-deputado federal Rafael Tavares (PRTB) - que teve o mandato cassado por não cumprir a cota feminina nas eleições de 2022 - admitiu que está entre os pré-candidatos a prefeito de Campo Grande pelo campo da direita. 

Ele espera reunir-se em breve com o presidente estadual do Partido Liberal (PL), deputado federal Marcos Pollon, para analisar a proposta. Tavares também pretende se reunir com o ex-presidente Jair Bolsonaro, e contar com o apoio dele nesta demanda.

"O meu nome vem sendo cogitado, sim, para a prefeitura de Campo Grande. A partir de agora eu vou sentar com o deputado Marcos Pollon, com o ex-presidente Jair Bolsonaro, para a gente ver qual vai ser a melhor estratégia para o Mato Grosso do Sul e para Campo Grande. Eu vou me colocar à disposição do grupo, e a decisão que for tomada eu irei seguir, dentro do PL", declarou Tavares.
O ex-deputado agora disputa com os também pré-candidatos da direita à Prefeitura de Campo Grande, deputado estadual João

Henrique Catan (PL), e a atual prefeita, Adriane Lopes (PP), o apoio de Jair Bolsonaro nas eleições municipais.

Jair Bolsonaro, inclusive, já mudou de pré-candidato pelo menos seis vezes em Campo Grande.

"Eu acho que nós temos força para ter uma candidatura própria da direita aqui na Capital, a direita é muito forte. Seja eu, seja qualquer outro membro do PL que possa vir candidato, o deputado João Henrique Catan, ou Marcos Pollon mesmo. Eu acho que é fundamental a direita ter candidatos", acrescentou Tavares.
"Se a missão vier para mim, eu vou aceitar e vou me arriscar, mas o mais importante é fortalecer o grupo, o bloco da direita", concluiu o ex-deputado. 
Despedida da Alems
Na tarde desta segunda-feira (4), Rafael Tavares convocou uma coletiva para se despedir da Assembleia Legislativa de Mato Grosso do Sul (Alems).

O até então deputado teve o mandato cassado pelo Tribunal Superior Eleitoral (TSE) no início de fevereiro. Os colegas da Corte, presidida pelo ministro Alexandre de Moraes, acompanharam o relator e confirmaram a cassação do mandato de Rafael Tavares por concordarem que houve fraude do partido na cota de gênero.

Foi comprovado que o PRTB lançou duas candidaturas femininas fictícias para cumprir o porcentual de 30% previsto em lei, e que teve anulados os votos recebidos para o cargo de deputado estadual.

A fraude na cota de gênero anula todos os votos da legenda, por isso, Paulo Duarte (PSB), que recebeu 16.663 votos nas eleições de 2022, assumirá a cadeira de Tavares na Alems.

Apesar da cassação, o ex-deputado se despede da Casa de Leis avaliando de forma positiva o ano de mandato.

"Eu acredito que o nosso mandato honrou os 18.224 votos. Nós somos líderes de indicações na casa. Para vocês terem uma ideia, 25% das indicações aqui na casa pertencem ao nosso gabinete. Ou seja, os outros 75% são divididos entre os demais deputados. E essas indicações são uma ferramenta importante para que a gente possa atender a população. Nós tivemos mais de 40 projetos de leis apresentados, que versam sobre várias situações, proteger a inocência das crianças, combate à ideologia de gênero, defesa da livre iniciativa (...) Ficou evidente que a direita vem preparada", exaltou Tavares.


PUBLICIDADE
PUBLICIDADE