PUBLICIDADE
Caarapó

Vigilância Sanitária interdita churrascaria em Caarapó

A Vigilância Sanitária Municipal interditou, por tempo indeterminado, na manhã de segunda-feira (19), em Caarapó, o Restaurante e Churrascaria do "Zezinho".

| CAARAPONEWS


 

A Vigilância Sanitária Municipal interditou, por tempo indeterminado, na manhã de segunda-feira (19), em Caarapó, o Restaurante e Churrascaria do “Zezinho”, que fica localizado às margens da BR-163, na saída para Dourados, em razão de não observância de notificações anteriores para adequação, além de evidente falta de higiene.

Segundo o Promotor de Justiça Dr. Cláudio Rogério Ferreira Gomes, o local estava interditado pela Vigilância Sanitária, por falta de higiene. Porém, a cozinha do estabelecimento continuava funcionando clandestinamente para fornecimento de marmitex. Após receberem denúncia anônima, o Promotor Dr. Cláudio Rogério e a Promotora Drª. Fabrícia Barbosa Lima, acompanhados de funcionários da Vigilância Sanitária e Policiais Militares, foram verificar pessoalmente o local e ficaram abismados com o que viram.

- A nossa fiscalização encontrou problemas com as toalhas de mesa em péssimo estado de conservação e limpeza, equipamentos danificados e sujos, ausência de termômetros para alimentos, moscas mortas e vivas voando livremente, baratas saindo de locais onde eram guardados os alimentos e muita sujeira – afirmou a Drª. Fabricia Barbosa.

A Promotora disse à reportagem do CaarapoNews, que o local havia sido notificado pela Vigilância Sanitária, desde julho do ano passado, mas o proprietário não tomava providências e o estabelecimento acabou sendo interditado até se adequar as exigências necessárias. Porém, segundo denúncia e que foi comprovada pelo Ministério Público, o local continuava funcionando irregularmente, servindo refeições e desobedecendo à determinação de interdição.

 Os Promotores de Justiça afirmaram que, junto com a interdição do restaurante por tempo indeterminado, será instaurado, no âmbito da Promotoria do Consumidor, um procedimento de investigação que pode gerar multa e até o cancelamento da autorização de funcionamento da empresa. A Promotoria explicou que “Zezinho” terá que adequar seu estabelecimento às exigências da Vigilância Sanitária. Os Promotores afirmaram ainda que, se os problemas forem sanados, o restaurante poderá ser reaberto normalmente. Caso não sejam sanados, os proprietários poderão ser acionados judicialmente.

 


PUBLICIDADE
PUBLICIDADE