PUBLICIDADE
Geral

Clima quente e vegetação seca favorecem queimadas

Os ventos fortes, clima quente e vegetação seca por conta da geada são combinações perfeitas para provocar incêndios florestais e estão deixando donos de propriedades rurais e o Corpo de Bombeiros em alerta total na região sul do Estado.

| A GAZETA


 

Vilson Nascimento

Os ventos fortes, clima quente e vegetação seca por conta da geada são combinações perfeitas para provocar incêndios florestais e estão deixando donos de propriedades rurais e o Corpo de Bombeiros em alerta total na região de fronteira, no sul do Estado em Mato Grosso do Sul.

De primeiro de julho a 30 de setembro estão totalmente proibidas às queimadas, inclusive queimadas controladas em todo o território de Mato Grosso do Sul, mas essa determinação é seguida em partes, já que tem os riscos de incêndios criminosos e aqueles provocados por produtores rurais desavisados ou que tentam burlar a legislação. Apesar da proibição, não é raro nesta época do ano, encontrar produtores rurais ateando fogo em capim seco às margens de rodovias estaduais que cortam a região visando construir “aceiros”, para impedir que transeuntes atirem fósforos acessos ou bitucas de cigarros às margens da via provocando incêndio que venham a atingir suas propriedades.Atitudes dessa natureza, que também são puníveis pelo IBAMA (Instituto Brasileiro do Meio Ambiente) além de representar riscos, já que em caso de vento forte pode até provocar um incêndio de grandes proporções, também colocam em risco a segurança para quem transita pelas rodovias por conta da fumaça que toma conta da pista.Ano passado teve 300 focos de incêndios- Assustado com o grande número de ocorrências registradas no período entre julho e setembro do ano passado, o Corpo de Bombeiros vai adotar medidas drásticas para tentar conter o volume de incêndios florestais na região este ano.

“Em 2007 atendemos cerca de 300 ocorrências de incêndios florestais em toda a região. Tivemos propriedades inteiras destruídas, máquinas agrícolas, cercas, barracões e até animais queimados pelo fogo. Para esse ano vamos adotar medidas drásticas. Todos os casos de incêndio que registrarmos, vamos notificar o IBAMA sobre a origem e os responsáveis pelo fogo para que sejam punidos conforme prevê a legislação ambiental”, disse o sub comandante do 3º Sub Grupamento do Corpo de Bombeiros de Amambai, sargento Wilson Vicente Ferreira ao relatar que a medida visa acabar com os problemas de incêndios florestais que afetam toda a região nessa época do ano.

Caarapó e toda a região vêm passando por um período de calor, pouca chuva e o clima permanece a maior parte do tempo seco.


PUBLICIDADE
PUBLICIDADE