PUBLICIDADE
Caarapó

Coluna Fatos & Boatos - Por André Nezzi

Confira a Coluna Fatos & Boatos escrita pelo diretor do CaarapoNews André Nezzi

| CAARAPONEWS


 

Coluna Fatos & Boatos – Por André Nezzi

 

Dada a largada

Tiveram inicio no último domingo (6), as propagandas eleitorais dos candidatos a prefeito, vice-prefeito e vereadores. Será um período de três meses de muito barulho com carros de sons e distribuição de material impressos.

Propagandas

Já a propaganda no rádio começa somente no dia 19 de agosto. O transcurso da campanha eleitoral tem várias etapas que podem provocar mudanças no cenário político. O início da propaganda visual é uma delas. A imagem e a apresentação do candidato são fundamentais.

Proibido

Também a partir do dia 6 de julho os atuais prefeitos e vices que são candidatos à reeleição não podem mais participar de inaugurações, fazer contratações ou demissões de servidores ou contratar shows artísticos. 

Surpresa

Por essa, ninguém esperava. O pecuarista Gino Vila Machado, surpreendeu a todos e se lançou candidato a prefeito pelo PSOL. Essa noticia pegou todos de surpresa e é o principal assunto das rodinhas e bares na cidade de Caarapó.

O por quê.

Gino disse em entrevista ao CaarapoNews, que o seu partido (PSOL), tem restrições há algumas legendas, e que nem Mateus nem Mário Duran têm propostas voltadas ao meio ambiente e desoneração de impostos como ele, por isso a decisão de sair sozinho.

Aos avessos

Apesar de ser candidato pelo PSOL, partido que defende o socialismo e se propõem a lutar por “reformas populares”, Gino Machado vem na contra mão de tudo isso. Gino que apesar de não gostar de ser chamado assim é pecuarista e, declarou aproximadamente a Justiça Eleitoral, um patrimônio de aproximadamente R$ 2.5 milhões. Para se ter uma idéia, o professor Mário Duran Leitão declarou ter R$ 52.000.

Barulho

Gino promete dar muita dor de cabeça aos seus adversários, e já anda dizendo por ai que deve entrar com representação na Justiça Eleitoral, contra o atual prefeito Mateus, que segundo ele, estaria fazendo uso da máquina a seu favor, dando inicio no período eleitoral, a obras em alguns bairros da cidade.

Na Bronca

O Partido Verde (PV) que tem como principais lideranças em Caarapó, o ex-vereador Chicão e o médico Drº. José Carlos, ficaram na bronca com o prefeito Mateus Palma de Farias e acabaram não coligando com a chapa do atual prefeito, a qual eles caminhavam juntos. O motivo seria uma reunião entre Mateus e Chicão, onde o prefeito teria dito que o ex-vereador não teria vaga em sua chapa de vereadores e nem em sua administração. O PV não coligou com ninguém.

Na bronca II

Quem também ficou na bronca, foram alguns membros do PPS que gostariam de se lançar candidatos a vereador e não tiveram vagas na chapa do atual prefeito. Porém o partido teve a promessa de ficar a frente de algum departamento e resolveram seguir na coligação.

Chapa complicada

Candidatos a vereador no “Chapão” do prefeito Mateus, andam fazendo suas contas para saber quantos votos será necessário para conseguir a tão sonhada vaga no legislativo. Em sua maioria os candidatos acreditam que a chapa fará de 6 a 7 vereadores, e que para conseguir essa vaga será necessário no mínimo 570 votos. Essa disputa promete pegar fogo.

Chapa mais ligth

Já pelos lados da oposição de Mário Duran, os candidatos a vereador acreditam que farão de 3 a 4 vereadores, e que com 350 votos garantem uma boquinha. Será?

Despercebido

No último sábado (12), durante o arraia do Restaurante Recanto em Caarapó, o deputado estadual Pedro Kemp (PT) de passagem pela cidade, resolveu fazer uma parada no local ao ver a grande multidão no recinto. Porém, o deputado passou despercebido por todos, sequer arrumaram uma mesinha para ele e seus assessores. Visivelmente constrangido, Kemp puxou seu carro e se retirou do local, sem receber um cumprimento sequer, aliás, sem sequer ser reconhecido por 99% dos que estavam ali presentes.

Cabisbaixo

E quem anda um tanto cabisbaixo também é o vereador Manézinho (DEM), ele esperava receber um apoio maior por parte do prefeito na sua campanha, mas parece que ouviu um não como resposta. Outra coisa que chateou Mané, foi o lançamento da candidatura de dona Teresa di Domenico (PMDB), sogra do empresário Leônidas Moreno, presidente do Democratas, e que era tido por Mané, como seu braço direito. O atual vereador chegou até ameaçar a desistir de sua candidatura.

 

 

 


PUBLICIDADE
PUBLICIDADE