PUBLICIDADE
Caarapó

Agrenco em Caarapó tem mais de 20 processos por débitos

Agrenco acumula mais de 20 processos na comarca de Caarapó, a maioria por débitos.

| CAARAPONEWS


 

Por Silmara Diniz e André Nezzi 

Uma empresa que chegou a todo vapor, literalmente, é a lembrança que se tem da Agrenco em Caarapó. A empresa, segundo o jornal Correio do Estado publicou no ano passado, investiria R$ 106,6 milhões apenas na cidade de Caarapó. Mas atualmente, após o escândalo envolvendo fraudes de seus controladores, torce para que o negócio volte a funcionar e ser lucrativo. A empresa tem contra si ajuizados mais de 20 processos na comarca de Caarapó, a maioria por causa de débitos. 

Um trabalhador, que não quis ser identificado, disse ter recebido apenas uma parte pelos serviços prestados a Agrenco, mas ainda falta a maioria do salário, que eles se propuseram a pagar, mas não deram data certa. Ele disse, ainda, ter esperanças de receber o restante em hora oportuna, pois necessita, “fiz diversos compromissos na expectativa de que receberia na data combinada, mas já se passaram 4 meses e até agora só vi a cor de um terço do dinheiro”, afirmou. 

O prefeito Mateus Palma de Farias, em entrevista, disse ao CaarapoNews que a Agrenco foi o maior presente que Caarapó recebeu, nos informou que esteve em contato com um dos diretores, José Marques Lorenzetti e disse que a Agrenco está tentando viabilizar recursos para continuar no negócio. “O negócio é muito bom e se eles não viabilizarem esses recursos, tem uma fila de cinco empresas esperando para comprar a Agrenco de Caarapó, porque esse investimento é de ultima geração, são maquinários modernos, todos importados, tudo dentro da exigência do meio ambiente, para que não haja poluição, qualquer empresa do ramo tem interesse em adquirir”, falou o prefeito. 

No escritório da empresa, que fica localizado na avenida Presidente Vargas, no centro da cidade, ninguém está autorizado a responder nada sobre essas questões, segundo nos informaram os funcionários. A assessoria de imprensa da Agrenco também não se manifesta a respeito do assunto e apenas se limita a publicar algumas notas em sua página oficial, mas nada que esclareça essas indagações. 

Enquanto a situação não se resolve, as diversas pessoas e empresas de Caarapó que prestaram serviços a Agrenco seguem no prejuízo e o grande “Elefante Branco” segue praticamente estagnado às margens da BR-163.

 


PUBLICIDADE
PUBLICIDADE