PUBLICIDADE
Caarapó

Escuta mostra esquema entre Agrenco e Deputado de SC

| DIáRIO CATARINENSE


 

O relatório da Operação Influenza, da Polícia Federal, contém trechos de ligações telefônicas e cópias de e-mails que relacionam o deputado federal Décio Lima (PT) ao empresário Francisco Ramos, conhecido como Chico Ramos, da Agrenco do Brasil SA - exportadora de grãos suspeita de, entre outras irregularidades, simular negócios com produtores de soja, comprando carregamentos que não existiam. A Operação Influenza investigou fraudes cometidas no Porto de Itajaí e deteve 24 pessoas em junho - incluindo Ramos.

Segundo as conversas gravadas, Décio teria facilitado o acesso do empresário a órgãos do governo federal no período entre 10 de dezembro de 2007 e 6 de janeiro deste ano. De acordo com os trechos (ver reprodução ao lado), até então mantidos em sigilo, o deputado federal, que concorre à prefeitura de Blumenau, teria recebido presentes de Ramos, como notebooks e vôos em aviões fretados.

Além de Décio Lima, o relatório da Polícia Federal cita Jefferson Reichel, assessor do deputado, e Marcelo Sato, genro do presidente Luiz Inácio Lula da Silva. O documento contém mais de 100 ligações telefônicas e e-mails, todos interceptados com autorização da Justiça.Parte das escutas mostra que o interesse de Ramos no contato com Décio, Sato e Reichel era para buscar agilidade em processos que envolviam a Agrenco. Ramos era o principal acionista da empresa, que almejava produzir biodiesel em Caarapó (MS). Para tanto, segundo o relatório da Polícia Federal, Chico contou com a ajuda de Décio, Sato e Riechel em contatos com o Ibama, Agência Nacional do Petróleo (ANP) e Receita Federal.

De acordo com o relatório da polícia, Décio recebeu pedido da Agrenco para que a resolução 41 de 2004 da ANP fosse adaptada a fim de autorizar a produção de biodiesel pela empresa. Depois do contato, a Agrenco teria conseguido a licença para operação da indústria.

A Polícia Federal cita no relatório o fato de que a Agrenco foi uma das financiadoras de Décio na eleição para deputado federal, em 2006, com registro da doação de R$ 170 mil para a campanha do petista.

Uma das ligações telefônicas interceptadas é usada como exemplo pelos policiais para mostrar a proximidade entre Décio e Ramos. Na gravação, o empresário articula a compra de dois notebooks. Os computadores seriam "um pro Décio e um pro Sato", diz o trecho da transcrição ao qual o Jornal de Santa Catarina teve acesso.

 

Confira trechos da Conversa

 

Trecho de telefonemas e e-mails gravados durante a Operação Influenza, da Polícia Federal

1º/4/2008, às 11h25min, ligação entre Chico Ramos e Décio Lima:

Ramos - Esse assunto, estamos com aquele documento pendente na Receita Federal para a gente poder se qualificar e vender biodiesel no leilão, tô apavorado.

Décio - Da agência ainda?

Ramos - Da Receita Federal, tenho que ter o certificado da Receita Federal para poder depois conseguir o selo definitivo no MDA.

Décio - Manda alguém passar um e-mail para mim hoje para eu entender direitinho com quem tenho que falar.

Ramos - O Jefferson tá cuidando de tudo para mim aí, tá tudo com ele.

Décio - Eu vou atrás do Jefferson, pode deixar.

24/10/2007 - E-mail do gabinete de Décio Lima para Chico Ramos:

Assunto: Audiência ANP

Prezado Xico,

Informo que a audiência com o Sr. Haroldo Lima ficou marcada para dia 29 de outubro, segunda-feira, às 16h.

O endereço é Av. Rio Branco, 65, 21º andar - Centro - Rio de Janeiro - RJ.

Tel: (21) 2112-8100

Qualquer problema falar com a Deise.

O deputado ficará aguardando informações sobre o vôo.

Atenciosamente, Cláudia Dutra

18/12/2007, às 15h42min, ligação entre Chico Ramos e Marcelo Sato

Ramos - Preciso de um favor, conseguimos as licenças ambientais, tudo que precisava para entregar na ANP para conseguir autorização para rodar a fábrica de biodiesel depois de amanhã. Hoje vai ter reunião no RJ para apreciar as licenças. Nosso processo está na área jurídica da ANP, preciso que você fale com diretor jurídico ou presidente para jogar para apreciação.

Sato - Não tá na pauta?

Ramos - Não. Faz pedido especial.

Sato - Estou ligando agora.

25/3/2008 - E-mail de Jefferson Reichel a funcionária da Agrenco:

Assunto: RPA

Bom dia, Ana!

Tem alguma notícia do meu pagamento, até hoje não apareceu.

Abraço, Jefferson

24/12/2007 - Às 11h13min, Ramos conversa com um homem identificado como Carlos

Ramos - Chegou o computador do nosso amigo Décio?

Carlos - Não, vou ver agora.

17/4/2008 - Às 11h18min, Marcelo Sato pergunta em gravação telefônica a Chico Ramos se pode deixar "um hotel reservado para nós". Documento da Polícia Federal aponta que foram reservadas duas vagas em hotel para Marcelo Sato, mas não especifica em que cidade é a hospedagem.

 


PUBLICIDADE
PUBLICIDADE