PUBLICIDADE
Caarapó

Pólo-Base de Caarapó realiza ação em aldeia indígena

Pólo-Base de Caarapó realiza trabalho rotineiro de imunização aos indígenas da aldeia.

| ASSESSORIA FUNASA


 

A Fundação Nacional de Saúde (Funasa) de Mato Grosso do Sul, realiza um trabalho rotineiro de imunização aos indígenas de todo Estado, garantido assim o controle nas carteiras de vacinação. Este trabalho mobiliza todas as equipes multidisciplinares, profissionais, como médicos e dentistas, tiram dúvidas da população através trabalhos educativos.

Em Caarapó, os profissionais da Funasa de Mato Grosso do Sul dividem-se para realizar esta tarefa. A aldeia indígena possui duas unidades de saúde e seu território é dividido em nove micro-áreas, para atender uma população estimada em 4.215 indígenas, sendo 853 crianças menores de cinco anos.

As vacinas aplicadas para menores de cinco anos são a BCG, Hepatite B, Febre Amarela, Influenza, Pneumonia, Varicela, Tríplice Viral, Poliomielite, Tretavalente, Rotavírus e DPT. Para índios acima de sete anos são aplicadas a Dupla Adulto, Febre Amarela,Hepatite B, Influenza, Pneumonia, Varicela, Tríplice Viral.

Os profissionais aferem peso, altura, conferem se a gestante está realizando o exame pré-natal e anotam as informações que também ajudam a compor o banco de dados do Bolsa Família, auxiliados por uma assistente social do Centro de Referencia de Assistência Social (CRAS), contratada pelo município, responsável pelo cadastramento.

O acompanhamento trimestral é realizado pelas enfermeiras, nutricionistas e agentes indígenas de saúde.

“Nesta ação, fazemos a verificação de peso, altura, acompanhamento de pré-natal se gestante e a carteira de vacinação do indígena de qualquer idade. Também temos todas essas informações no Pólo-Base de Caarapó, nas fichas espelho no posto de saúde indígena, caso esse documento seja extraviado pelo índio”, explica a enfermeira e coordenadora técnica Olívia Borgo.

A Coordenação Regional da Funasa de Mato Grosso do Sul (Core/MS) possui 29 equipes multidisciplinares trabalhando nas 72 aldeias indígenas do Estado. Composta por médicos, dentistas, enfermeiros, e outros profissionais trabalham em conjunto para atender a saúde básica da população indígena de MS estimada em 65 mil.

 

 


PUBLICIDADE
PUBLICIDADE