PUBLICIDADE
Caarapó

Juti: Sem estrutura, diretor começará esporte do “zero”

| A GAZETA


 

Sem sala, sem material, sem ginásio. Esses, entre outros, são alguns dos desafios que o novo diretor de Esporte de Juti, Edmar de Oliveira Albuquerque, 29 anos, terá de enfrentar à frente do Departamento. Além disso, há ainda a falta de adeptos e a falta de credibilidade no setor.

Localizada às margens da rodovia BR-163, a cidade de Juti, com cerca de 5.353 habitantes (dados do IBGE) sofre com o descaso no esporte, conforme avalia o novo diretor. “Não temos nem sala para trabalhar, não há uniformes, nem materiais esportivos; o esporte em Juti está praticamente parado.”

Mesmo sem vínculos políticos, ou simplesmente apoios, Albuquerque desenvolveu, durante anos, trabalhos com crianças. Formado em Educação Física, em 2001, o professor conciliava as aulas na escola estadual, com as escolinhas de vôlei, basquete, futsal e tênis. “O trabalho visava ocupar as crianças, tirar elas das ruas e dar um esporte a elas”, explicou o professor, que com as escolinhas obteve importantes resultados em competições no estado; entre eles, foi vice-campeão nos JEMS (Jogos Estudantis do Mato Grosso do Sul), em 2007. Sempre levando o nome do município.

Conciliando as experiências obtidas nas escolinhas, além de tempo e recursos, Edmar espera reestruturar o esporte no município, começando nas escolinhas. “O primeiro passo será o trabalho com as crianças; é na base que vamos pensar primeiro; trabalhar o esporte e o lado social; cada criança terá que ir bem na escola para poder continuar a treinar”, explica.

Edmar deseja trazer de volta campeonatos de futsal e futebol. “Vamos fazer dois ou três campeonatos bons durante o ano; mas tudo bem organizado, com regulamento e capacitação dos árbitros do município. Sei que vamos ter muito trabalho, não temos nada, vamos ter que começar do zero, mas agora estou muito feliz; faço o que gosto”, disse o professor.


PUBLICIDADE
PUBLICIDADE