PUBLICIDADE
Caarapó

Criança de 5 anos brinca em poço e morre afogada

| MIDIAMAX


 

A pequena Dayani Oliveira Machado, de 5 anos, foi mais uma vítima de afogamento em Campo Grande. Ela brincava em poço de cerca de 2 metros de profundidade, localizado na rua Rádio Maia, Vila Popular. O caso considerado acidente pela polícia aconteceu por volta das 16h30, quando os familiares sentiram a ausência da menina. Ela costumava brincar no poço, onde morreu afogada.

Segundo informações do 1º BPM (Batalhão da Polícia Militar), os familiares começaram a procurar Dayani. Percorreram vários lugares do bairro, sem localizá-la.

Como a menina costumava brincar próximo do poço, familiares resolveram ir até lá também, foi quando encontraram o chinelo da menina, um na beira e outro dentro do poço, mas ela não foi avistada.

Em seguida,os bombeiros foram acionados. Por volta das 17h28, um mergulhador da equipe do Corpo de Bombeiros encontrou o corpo de Dayani.

O corpo  foi encaminhado para o IML (Instituto Médico Legal).

 Perigo

Dayani é a segunda vítima de afogamento na Capital este ano. Ontem, os bombeiros localizaram o corpo de Jéferson de Andrade Miguel, de 18 anos, que morreu afogado em um lago do pesqueiro Estrela Parque, localizado no Jardim Cristo Redentor. Ele foi ao local com amigos. Ao atravessar o lago não teve forças para continuar nadando e afundou.

Em 2008, O Corpo de Bombeiros do Estado registrou 32 mortes por afogamento na Capital. Os meses de maio e novembro foram os que tiveram maiores índices de ocorrências, cada um com nove casos, e o mês de dezembro registrou 5 mortes por afogamento. Em todo o estado foram 119 registros, saldo maior que o de 2007 que fechou com menos de 100 casos.

De acordo com o tenente Pablo Diego Barros de Jesus, as ocorrências registradas na Capital ocorrem mais em áreas periféricas da cidade, como chácaras e fazendas próximas da cidade, como o caso de Dayani. O local onde ela morreu, era realizada uma obra, porém não foi finalizada.

Segundo informações da PM, é comum ver crianças brincando no poço onde a menina morreu. Uma tela de proteção chegou a ser colocada para tampar o poço, porém, foi retirada.

Como agir

Em caso de afogamento o primeiro passo é virar a criança de bruços rapidamente e dar tapas fortes nas costas para que a água desobstrua toda via aérea. O organismo resiste até cinco minutos a falta de oxigenação.

Depois disso, começam a aparecer as lesões. As mortes das células nervosas podem deixar seqüé-las desde motoras até na fala, segundo orientações dos bombeiros.

O corpo será velado na Pax Mundial, em Campo Grande.

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE